• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Plsticos de baixa-temperatura ajudam a reciclagem
País: EUA
Fonte: WARMER BULLETIN ENEWS #36-2003: December 13, 2003
Data: 3/2004
Enviado por: Kit Strange/Warmer Bulletin
Curiosidade (texto):
Cientistas deram um passo prximo ampla reciclagem de plstico, um dos grandes problemas ambientais do Sculo XXI.

A BBC On-line reportou que os investigadores desenvolveram um modo de modelar plsticos em frmas sem os aquecer. Atualmente, plsticos so expostos a altas temperaturas at que eles estejam macios bastante para serem aplicados em novas formas, o que os fragiliza. Os pesquisadores americanos publicaram um estudo no Dirio da Natureza. O novo mtodo permite reprocessar os plsticos sem danificar suas cadeias moleculares. A equipe do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) em Cambridge, EUA, misturaram poliestireno pulverizado - um plstico "duro" - com um plstico macio tambm pulverizado, como polibutila acrlico.

Quando presso foi aplicada a estes plsticos pulverizados dentro de um molde, o componente duro dissolveu no componente macio, tornando-o malevel e fcil de moldar. Os cientistas moeram e remodelaram estes plsticos at 10 vezes e no observaram nenhuma mudana em suas propriedades.

" bastante semelhante aos processos que ns usamos, e que j faz parte do processo industrial dos plsticos", disse o condutor da pesquisa, Dra. Anne Mayes, do MIT. A diferena chave, disse a Dra. Mayes, foi o uso de componentes duros e macios nos plsticos. Os plsticos foram remodelados temperatura ambiente. Isto acaba com a necessidade de aquecer os plsticos a temperaturas altas, reduzindo a quantidade de energia usada para aquecer e depois esfriar os moldes nos processos industriais. A tcnica tambm pode requerer menos quantidade de aditivo, como retardadores de chama e estabilizadores ultravioleta a serem aplicados aos plsticos. O processo pode percorrer um longo caminho at entrar em larga escala.

"Isto seria til para a reciclagem, j que realmente no degrada os plsticos", disse Dr, Hazel Assender, um cientista de materiais na Universidade de Oxford. "Isto tambm precisa ser um processo industrial vivel". Dr. Assender disse que havia muitos outros problemas que impedem ampla reciclagem de plsticos. Por exemplo, plsticos precisam ser ordenados de forma que os mesmos tipos sejam reciclados juntos. No momento, h poucas alternativas de se fazer isto manualmente. Plstico reciclado, atualmente, muito caro, tornando-se difcil para as empresas de reciclagem a recuperao dos custos. "Agora mesmo ns temos que aprender mais sobre o que [esta tcnica] pode fazer e o que no pode fazer", disse o co-autor da pesquisa Juan Gonzalez-Leon, do MIT.

Sr. Gonzlez-Lon disse que a tcnica poderia melhorar sistemas de entrega de drogas controladas. Isto inclui dispositivos implantados debaixo da pele para ministrar medicamentos dentro do corpo de uma pessoa. Estes so feitos implantando-se drogas em uma matriz de polmero e eles trabalham libertando a droga lentamente conforme o polmero vai se decompondo. Mas muitas protenas perdem sua forma e funo quando expostas a temperaturas em torno de 37 C e o processo poderia ser prejudicado se a parte correspondente matriz de polmero do dispositivo de liberao da droga estiver aquecida. Modelando os dispositivos temperatura ambiente poderia eliminar este problema.