Curiosidades

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Pilhas e baterias: um lixo perigoso
País: Brasil
Fonte: http://www.redeaguape.org.br/desc_artigo.php?cod=32
Data: 3/2007
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
No Brasil, o termo bateria refere-se a dispositivos industriais, automobilsticos e equipamentos mdicos, por exemplo, enquanto o termo pilha refere-se a dispositivos de uso domstico.

As pilhas tambm so denominadas clulas, sendo constitudas por um nodo (plo negativo) e por um ctodo (plo positivo), imersos no eletrlito que possibilita a troca de eltrons entre ambos. Vrias pilhas, ligadas em srie, formam uma bateria.

Podem apresentar-se de vrias formas: cilndricas, retangulares, botes e moedas. Quanto ao tamanho, podem receber as denominaes de: palito (AAA), pequeno (AA), mdio (C) e grande (D).

Dividem-se em duas classes: as primrias e as secundrias. As pilhas primrias so usadas apenas uma vez e substitudas, pois a reao qumica que ocorre irreversvel. As pilhas secundrias so compostas por sistemas eletroqumicos, nos quais no ocorre a dissoluo dos materiais ativos no eletrlito alcalino, permitindo que essas pilhas possam ser recarregadas e reutilizadas.

Alm de metais pesados txicos, as pilhas comuns tambm contm substncias qumicas perigosas como o cloreto de amnia e o negro de acetileno. Na pilha do tipo alcalina, o mercrio tem a funo de armazenar as impurezas geradoras de gases, contidas nas matrias-primas, que podem prejudicar o desempenho e a segurana do dispositivo.

As baterias de celular tambm apresentam metais txicos que poluem as guas e os solos.

Tanto as substncias presentes nas pilhas quanto das baterias, se ingeridas atravs da gua ou dos alimentos, podem provocar distrbios metablicos que levam osteoporose, disfuno renal, doenas cardacas, dores de cabea, anemia, depresso, distrbios digestivos e problemas pulmonares, por exemplo.

As pilhas so lanadas diariamente no meio ambiente por milhes de pessoas. Ao serem descartadas de forma inadequada, liberam seus componentes txicos no ambiente, contaminando o solo, a gua, a atmosfera, podendo causar srios danos a diversas formas de vida, incluindo o homem.

A produo mdia de pilhas no Brasil de aproximadamente 670 milhes de unidades por ano, dentre as quais predominam as alcalinas. importante considerar tambm a grande quantidade de pilhas que entram no pas como produtos importados. Observa-se, ainda, uma acelerada expanso do consumo de baterias, decorrente do crescente uso de telefones celulares: de 1994 a 1999, o nmero de telefones celulares passou de 800 mil para 17 milhes de aparelhos, o que representa 22% de todas as linhas de telefone celular da Amrica Latina. A estimava que para 2007, haja mais telefones celulares do que fixos.

Nem todos os tipos de baterias apresentam o mesmo grau de risco ambiental, e o mercado j dispe de dispositivos pouco danosos ao ambiente. Entretanto, aproximadamente 11 mil toneladas de baterias usadas foram descartadas no perodo de 1995 a 1999, contaminando o solo dos aterros comuns e colocando em risco tambm os recursos hdricos.

Quanto s baterias automotivas, estas so, normalmente, do tipo chumbo-cido (Pb-H2SO4), sendo classificadas como de elevado risco ambiental, devido aos severos efeitos negativos que o chumbo e o cido sulfrico ocasionam sobre os seres vivos em geral. O Brasil no auto-suficiente na produo de chumbo primrio. Por isso, este tipo de bateria reprocessado em unidades de produo de chumbo secundrio. Porm muitas indstrias recicladoras de baterias, mal estruturadas, tambm contribuem para a severa contaminao ambiental com chumbo e cido sulfrico.

Apesar do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) ter inovado no gerenciamento ambiental e descarte de pilhas e baterias usadas, ao instituir a Resoluo 257/99, segundo a ABES - Associao de Engenharia Sanitria e Ambiental - para os que acreditavam que as empresas fabricantes seriam as grandes interessadas em orientar a populao, contribuindo assim para a instituio de um programa