Curiosidades

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Bioespuma alternativa ecolgica ao isopor
País: Brasil
Fonte: http://www.akatu.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1511&sid=88&tpl=view%5Ftipo4%2Ehtm
Data: 10/2007
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
Nas indstrias, o isopor muito utilizado para embalar desde alimentos a equipamentos eletro-eletrnicos, mas tambm largamente empregado na fabricao de utilitrios, na construo civil e na indstria automobilstica. Gradualmente, porm, se est substituindo o produto por alternativas que impactam menos o meio ambiente, como o a bioespuma.

"No exterior, o poliestireno expandido dentro das caixas de equipamentos j uma barreira s exportaes. As empresas no Brasil j esto trocando o material para atender a essa demanda internacional", diz a professora dra. Mara Lcia Dantas, do Laboratrio de Embalagem e Acondicionamento do Instituto de Pesquisas Tecnolgicas (IPT).

A bioespuma obtida a partir de produtos naturais renovveis, derivados de plantas e sementes como cana-de-acar, soja, mamona e coco. Sua grande vantagem, alm de ser desenvolvida a partir de recursos renovveis, a facilidade com que se decompe no meio ambiente.

A Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), em parceria com a empresa Kehl Polmeros, desenvolveu uma bioespuma que se decompe em no mximo dois anos, na presena de oxignio. Sem oxignio, o tempo de decomposio de trs anos.

O produto est chegando ao mercado para substituir o isopor em diversas aplicaes, como embalagens de produtos eletrnicos, bandejas de alimentos e substrato para a plantao de mudas na rea agrcola.

Para a professora Mara Lcia, por enquanto ainda so necessrios ajustes na formulao desses produtos ecolgicos. Ela exemplifica dizendo que espumas feitas de produtos naturais algumas vezes atraem roedores e insetos nos estoques das fbricas. As pesquisas nesse sentido no esto plenamente desenvolvidas, mas os resultados j apontam para caminhos mais ambientalmente responsveis.

AUTOR: Conrado Loiola/Instituto Akatu