• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Catador de lata segue cotao da Bolsa e do dlar pelo visor do celular
País: Brasil
Fonte: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/00810/0081015bolsa.htm
Data: 11/2008
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
Todos os dias, pelo celular, Enildo Paulino recebe as cotaes do dlar e dos mercados. "As Bolsas da sia tiveram quedas histricas", dizia o catador de latinhas, preocupado com os negcios que lhe rendem, por ms, R$ 400 em mdia. Aos 45 anos, "seu Nen", como conhecido, segue religiosamente o mercado financeiro. Graas ao cmbio, espera obter agora melhor preo por seu produto. "Com o dlar a R$ 2,31, consegui R$ 4,60 pelo quilo da latinha. Antes da alta, pegava R$ 3,50".

Morador de uma favela em Osasco (Grande So Paulo), Paulino usa as informaes para negociar melhor com os ferros-velhos, a quem vende pessoalmente seu produto.

"Se a gente chega desinformado, o comprador paga menos". Para maximizar os rendimentos, criou uma base de dados de compradores e telefona a todos para descobrir as melhores ofertas.

Com isso, o valor que diz obter chega a superar o das cooperativas, que negociam volumes maiores.

Trs entidades ouvidas pela Folha chegaram a vender o quilo da latinha por R$ 2,90 no ano passado e viram o preo subir. Mas, nos trs casos, o mximo pago pelos intermedirios foi de R$ 3,50/kg. A alta deve-se no s ao cmbio, mas ao desempenho do alumnio na crise das commodities (cujo preo cotado em dlar). Enquanto o valor do nquel desabou 28% no ltimo ms, o do alumnio caiu 12%.

"Tenho um papel nessa cadeia", diz Paulino. Alm de acompanhar notcias na TV (comprada a prestaes) e pelo celular, ele l todos os jornais que recolhe no lixo. E comenta o noticirio: acha "importante para a humanidade e para os negros" a candidatura de Barack Obama.


Fonte: Gisele Lobato (Folha de S.Paulo)