• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Lixo espacial aumenta e adquire caractersticas perigosas
País: Brasil
Fonte: http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI1143232-EI301,00.html
Data: 11/2008
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
Espao
Domingo, 17 de setembro de 2006, 10h42
Lixo espacial aumenta e adquire caractersticas perigosas
Os astronautas do nibus espacial Atlantis perderam uma porca, uma mola e uma arruela em sua primeira caminhada para recomear a construo da Estao Espacial Internacional (ISS) na ltima semana.

Esses trs objetos se afastaram flutuando no vazio espacial sem inconvenientes posteriores, e o incidente passou para o arquivo do esquecimento para a Nasa.

Mas muitos cientistas vm advertindo que o espao est se tornando um depsito de lixo cada vez mais perigoso.

Os especialistas alertam que possvel que o deslocamento desses objetos tenha parecido lento, tendo ISS como ponto de referncia.

No entanto, esclarecem que, na realidade, esto se deslocando no espao a cerca de 28 mil km/h.

Na imensido do espao, as possibilidades de um choque so remotas, segundo os especialistas.

Mas, ao mesmo tempo, informam que o lixo espacial est aumentando de forma desmedida e que, assim, cresce o risco de uma coliso catastrfica no espao.

Um estudo realizado em 1999 e registrado pelo "space.com", um site na internet sobre informaes espaciais, afirma que at esse ano havia cerca de dois mil quilos de "ferro velho" flutuando em uma rbita muito prxima atmosfera terrestre.

Esse lixo, que comeou a ser formado em 1965, quando o astronauta Edward White perdeu uma luva na primeira caminhada espacial de um americano, formado por aproximadamente 110 mil objetos de mais de um centmetro de dimetro, suficientemente grandes para causar danos em um satlite ou em um dos telescpios espaciais da Nasa.

Como resultado do aumento das operaes realizadas pela Nasa, Rssia e outros pases que entraram no seleto grupo dos que podem pr um objeto no espao, natural que o lixo tenha se multiplicado nos ltimos anos, segundo os especialistas.

Alguns dos maiores objetos poderiam ameaar a vida dos astronautas de uma nave ou mesmo a existncia da ISS, que est em rbita a cerca de 400 quilmetros de altura da Terra.

Como exemplo do perigo, o "space.com" cita o caso de um pequeno pedao de pintura que se desprendeu de um satlite e que, ao bater contra uma nave, causou uma perfurao de mais de um centmetro de dimetro, mas que no teve maiores conseqncias.

O perigo no passou despercebido para as autoridades dos EUA, cujo Comando Espacial assumiu a tarefa de vigiar rigorosamente o lixo espacial e outros objetos, alm de informar a outros rgos quando houver risco de coliso.

Segundo essa instituio, em meados de 2000, j estavam no espao 8.927 objetos de envergadura fabricados pelo homem, muitos deles de forma permanente.

Desse total, 2.671 eram satlites (em funcionamento ou desativados), 90 eram sondas espaciais e 6.096, pedaos de naves. O primeiro satlite a virar entulho foi o Vanguard I dos EUA, lanado em 1958 e desativado aps seis anos de funcionamento.

Muitos deles sero atrados pela fora de gravidade da Terra, e acabaro se desintegrando como meteoritos no choque com a atmosfera.

Mas alguns, devido a seu grande tamanho, podem no ser totalmente destrudos e cair em algum ponto da Terra.

Segundo Major Birmingham, do Comando Espacial, informou ao "space.com", mais de 57 desses objetos conseguiram atravessar a atmosfera nos primeiros seis meses de 1999.

Um deles foi o SkyLab dos EUA, que em 1979 se desintegrou e uma parte caiu no Oceano ndico, enquanto a outra caiu na Austrlia.

No entanto, Birmingham afirma que h poucas possibilidades de que um pedao desses objetos que vagam no espao cause uma catstrofe ao cair na Terra, porque mais de 75% da superfcie do planeta coberto pelo mar.

"Muitos dos que entram na atmosfera se desintegram ou caem no mar. Reingressos como o do Skylab so muito raros e uma exceo", disse.

EFE

Agncia EFE - Todos os direitos reservados. proibido todo tipo de reproduo sem autorizao escrita da Agncia EFE S/A.