Curiosidades

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Resduo volta a ser lixo
País: Brasil
Fonte: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/00904/0090428residuo.htm
Data: 5/2009
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
Todas as manhs, Tian Wengui sai da casa que ele faz embaixo de uma ponte da cidade, com dois grandes sacos pendurados do ombro. Durante todo o dia e parte da noite ele procura no lixo garrafas de refrigerante, recipientes de molho de soja e de leo de cozinha. Vendendo resduos para um dos grandes depsitos de reciclagem de Pequim, Tian ganha R$ 7 em um dia bom. Mas os dias bons esto ficando raros. Desde que Tian migrou da Provncia de Sichuan, a indstria bilionria da reciclagem caiu em parafuso por causa da crise econmica global e da queda concomitante dos preos das matrias-primas. Hoje as garrafas so vendidas pela metade do preo que tinham no vero. "At o lixo perdeu o valor", disse Tian recentemente, enquanto se dirigia para um centro de coleta com os sacos repletos. O colapso da indstria de reciclagem afetou pessoas como Tian, os intermedirios que compram os produtos do lixo e as fbricas que transformam dejetos reciclados em produtos destinados a lojas e canteiros de obras de todo o mundo. Negociantes de lixo americanos e europeus que vendem para a China esto vendo seus carregamentos ser recusados pelos clientes quando chegam sia. A ltima vtima poder ser o meio ambiente, j invadido por lixo em alguns lugares a ponto de ameaar a sade das pessoas, hoje mais afetada por dejetos que at recentemente seriam reciclados. O efeito est sendo sentido agudamente na China, maior importador de lixo do mundo. Os EUA, por exemplo, exportaram 10,5 milhes de toneladas de papel e papelo recuperado no ano passado para a China, em comparao com 1,9 milho de toneladas em 2000, segundo a Associao de Papel e Florestas dos EUA. Como o consumo chins muito menos desenvolvido que o do Ocidente, mais de 70% dos materiais que alimentam a indstria de reciclagem do pas devem vir do exterior, disse Wang Yonggang, porta-voz da Associao de Reciclagem de Recursos Naturais da China. "A tradio chinesa de poupar e ser parcimonioso", ele disse. "As pessoas aqui costumam mandar consertar as coisas vrias vezes antes de jog-las fora". A queda nos preos das matrias-primas foi to rpida que em questo de semanas, no final de 2008, navios de contineres carregados com rodas de trens usadas e latas de comida para cachorro vazias chegaram aos portos chineses valendo muito menos do que quando partiram de Newark, Roterd ou Los Angeles. "Tudo estava indo bem at outubro, ento camos de um penhasco", disse Bruce Savage, porta-voz do Instituto de Indstrias de Reciclagem de Dejetos, organizao setorial que representa principalmente as processadoras de lixo americanas. Os EUA exportaram US$ 22 bilhes em materiais reciclveis para 152 pases em 2007. Hoje a organizao estima que o valor dos reciclveis americanos caiu de 50% a 70%. Negociantes ocidentais dizem que esto reunindo estoques crescentes cujo valor, em muitos casos, continua caindo. Para piorar as coisas, os importadores chineses pedem renegociaes drsticas dos contratos. Em alguns casos eles se recusam a aceitar carregamentos pelos quais j tm obrigao contratual. "Ainda h muitos contineres cheios de lixo parados no porto em Hong Kong", disse Wang, da associao de reciclagem chinesa. Os tempos difceis esto atingindo os recicladores chineses em todos os nveis. Em um dia recente, Chen Xiaorong, 36, estava sentada sobre uma vasta ilha de blocos, revistas e livros escolares empilhados perto de sua pequena casa de tijolos vermelhos, com uma torre de jornais pairando sobre ela. "Conheo pessoas que perderam tudo apostando na reciclagem", ela disse. Muitos de seus vizinhos voltaram para o campo, e os R$ 1.600 que a famlia inteira de Chen ganharia por ms encolheram para R$ 800. Olhando para pginas descartadas dos poemas do presidente Mao, ela acrescentou: "Hoje a China tem mais latas de lixo do que pode digerir. Ns realmente precisamos do lixo americano?". Fonte: Dan Levin (Folha de S.Paulo / The New York Times)