• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Aterro Sanitrio e as dvidas sobre o empreendimento
País: Brasil
Fonte: http://www.bolsadereciclaveis-sp.com.br/index.php?cat=noticia&id=520
Data: 12/2009
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
Por Jlio Wandam* Poucos dias atrs, amigo Enio Noronha Raffin enviou e-mail referente a assunto de interesse ambiental em Tapes/RS, a audincia pblica do dia 27 de janeiro, sobre o Aterro Sanitrio Intermunicipal para gerenciamento e tratamento dos resduos slidos de sete cidades (60 toneladas dirias) da regio, que iro despejar lixos parcialmente segregados at certo volume, e dispostos os restantes dos resduos e rejeitos em valas abertas, cobertas por geomembranas, e captando o gs metano e o chorume, materiais altamente poluentes. O metano (CH4) um gs gerado a partir da decomposio dos resduos orgnicos, 21 vezes mais poluente que o gs carbnico (CO). O chorume so os lquidos que percolam por entres as camadas de lixos acumuladas e prensadas, 21 vezes mais poluente que o esgoto, lanados nas sangas, arroios e crregos de Tapes e outras tantas cidades brasileiras. O que deixa dvidas, e para isso no h garantia alguma, que o tal gerenciamento, tratamento e destino final sejam feitos como agora, no atual momento. Explica-se: Cerca de uma semana atrs, recebi uma informao de que o fil do lixo no estaria chegando aos ex-catadores do Lixo da Camlia, e que os carroes estariam recolhendo apenas resduos = rejeitos sem valor para a venda pela Cooperativa, tendo diminudo os volumes de lixos recepcionados e segregados na Usina de Triagem. Fil so os resduos de maior valor, como as latinhas de alumnio. Outra situao, esta mais sria e com documentos comprovando, a Usina de Triagem que recebeu Licena de Operao em janeiro de 2007, sem a visita/vistoria da FEPAM, que deveria ser feita para avaliar os equipamentos e a estrutura para poderem operar em julho de 2008 um empreendimento que desde o primeiro dia de funcionamento, no funciona como deveria. O impacto de vizinhana que deveria ter sido pensado e avaliado, no o foi, nem mesmo a audincia pblica houve, e o Sr. Morador ao lado do empreendimento acabou procurando o Ministrio Pblico para buscar ajuda e resolver seu problema, criado por falta de senso e penso de que a comunidade precisa ser ouvida nestes casos. Entende-se que a Audincia Pblica para outro empreendimento atrs da Escola Agrcola, na RS 717, no fosse o tamanho, poderia at no existir, semelhante ao ocorrido no caso da Usina da Avenida Camaqu. Quanto ao Lixo da Camlia, mais uma vez no conseguimos fech-lo. Mas no desistiremos assim, mesmo que promovam desinformaes do tipo: - o eco-chato no deixou o Aterro ir para Sentinela para resolver o problema de Tapes, e digam que somos contra audincia pblica (feita nas coxas, claro), entendemos que agem no sentido de abafar a real situao, e no assumirem a falta de massa cinzenta para usos mltiplos e diversos dentro de uma Administrao Pblica, desinformando tambm outros, alegando que teria Eu sido o grande mentor da ida do Aterro Sanitrio para aquela cidade e depois teria sido o que no deixou o Aterro se instalar na comunidade. Explica-se novamente: A comunidade de Sentinela do Sul decidiu, os secretrios da Administrao decidiram, o prefeito tomou a deciso pela no instalao deste empreendimento na cidade. Devaneios a parte de parte dos que acreditam estarem resolvendo o problema, fica a dvida se o atual local no Capo Alto prprio para que este tipo de negcio de Aterros Sanitrios venha se instalar aqui em Tapes, e se a comunidade ser ouvida e respeitada a sua deciso. Um caso bem emblemtico o descontrole no que insistem chamar de Aterro Controlado, que gritante. S a falta da Licena Ambiental da FEPAM h dois anos e nove meses, preocupante no ter sido tomada alguma atitude de parte dos rgos ambientais do estado. O gerenciamento deste local, na Estrada do Buti, oito quilmetros ao norte, que h 25 anos polui o ambiente prximo dos Butiazais de Tapes, deixa-nos estimulados a manter acesa a luta contra a continuidade dos despejos at onde tivermos que ir e o tempo que for. Imaginem se o empreendimento atrs da Escola Agrcola acaba virando um lixo, o Lixo do Capo Alto, ento teremos dois lixes em Tapes. Alguma coisa est mudando, isso no temos dvidas! *Ambientalista Os Verdes de Tapes/RS osverdestapes@gmail.com http://osverdestapes.googlepages.com