• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Reciclagem de lixo: ao que transforma vidas
País: Brasil
Fonte: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/00911/0091125vidas.htm
Data: 2/2010
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
Curiosidade (texto):
O que voc faz com o lixo que produz? Cerca de 900 toneladas so despejadas nos depsitos e aterros sanitrios da Regio Metropolitana de Belm (RMB) todos os dias. Mas nem tudo que vai para a lixeira deixa de ter valor. Determinados tipos de plsticos, papis, vidros e outros objetos podem ser reaproveitados. Porm, como a coleta seletiva ainda no um hbito para a maioria da populao, estes materiais acabam se perdendo. Felizmente, h vrias iniciativas de preservao do meio ambiente atravs da reciclagem. A dona-de-casa Graa Gaia, 58 anos, por exemplo, cultiva o hbito de separar o lixo que produz h pelo menos oito anos, pois sabe que, alm da importncia ambiental, existem pessoas que fazem do lixo a sua nica fonte de renda. A prtica deu certo durante dois meses aqui no condomnio, mas depois as pessoas foram deixando de lado, mais ainda quando roubaram os containers. A principal razo pela qual ainda fao isso porque, alm de fazer a minha parte e ficar com a conscincia tranquila, os catadores vm aqui todos os dias. Sem eles, a cidade estaria mais suja. Pessoas como Maria Ldia, 64 anos, vivem exclusivamente daquilo que conseguem encontrar nas ruas e nos lixes. Estou nesta vida desde os 13 anos de idade, quando cheguei aqui em Belm. Tenho cinco filhos adultos e foi com o dinheiro que consegui trabalhando no depsito que pude dar um conforto para eles, diz. Recolhimento Ela faz parte da Associao de Catadores da Coleta Seletiva de Belm (ACCSB), responsvel pelo recolhimento de materiais reciclveis separados por moradores e estabelecimentos comerciais nos bairros do Umarizal, Nazar e parte do Reduto. A associao executa o projeto Coleta Seletiva de Porta em Porta. Neste projeto, a Secretaria Municipal de Belm (Sesan) oferece infraestrutura e resgata dos lixes, como no bairro do Aur, em Ananindeua, catadores e suas famlias, como Raimunda Arajo, 48, e Ana Cristina Arajo, 23. No comeo, eu levava comida para minha me e, quando completei 13 anos, resolvi ajudar ela e o meu pai, que preferiu continuar no Aur. A associao fica na travessa Padre Eutquio, na Cremao, e coleta materiais como papel branco, papelo, ferro, cobre, alumnio, vidro, isopor, garrafas pet, entre outros. Aqui funcionam quatro grupos de coleta, que vo aos supermercados, bancos e casas buscando material e doaes. Ns oferecemos o depsito e os instrumentos, o resto com eles. Os ganhos variam, pois dependem do que conseguem armazenar e revender, mas gira em torno de R$ 190 para cada um, semanalmente, diz a coordenadora pedaggica do projeto, Raimunda Cordeiro. Alm da ACCSB, existem outros grupos de catadores espalhados na cidade, como a Cooperativa de Catadores de Material Reciclado (CCMR), no bairro da Terra Firme. Porm, para que eles continuem fazendo este trabalho, importante que a populao colabore. Empresrios como Francisco Vallenoto, 39 anos, do o exemplo e ajudam a manter a cidade limpa. Apesar de morar no centro, ainda observo alguns lixes a cu aberto prximo do meu estabelecimento. H cinco meses, descobri um grupo que recolhia papelo dentre aqueles entulhos e ento firmei uma parceria. Como eu produzo excedente deste material, sempre que tenho uma quantidade razovel ligo para eles virem buscar. Assim ganhamos todos ns, principalmente o meio ambiente. Fonte: Dirio do Par