Curiosidades

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:







Curiosidades


Assunto: Para onde vai o e-lixo?
País: Brasil
Fonte: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/01008/0100810elixo.htm
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
URL: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/01008/0100810elixo.htm
Curiosidade (texto):
Quem recebe spams por e-mail se aborrece, mas pelo menos no tem dificuldade em limpar o lixo eletrnico da caixa-postal. Infelizmente, o nosso planeta no tem a mesma facilidade para lidar com o lixo eletrnico que recebe, ou seja, os resduos de aparelhos como telefones celulares, computadores e as baterias e pilhas que os alimentam. O problema destes materiais que eles contm substncias altamente txicas, como metais pesados e substncias qumicas contra chamas que no podem, em hiptese alguma, ser jogados no lixo comum. O chamado e-lixo deve ser reciclado ou descartado em aterros controlados para impedir a contaminao dos solos e lenis freticos. Aps 20 anos tramitando no Congresso, a poltica nacional de resduos slidos, que tambm trata do descarte desses materiais, foi sancionada na segunda-feira (2/8). A nova lei, que deve ser regulamentada em 90 dias, estabelece que a responsabilidade pelos resduos deve ser compartilhada entre fabricantes, comerciantes, governo e consumidores. As empresas tero que criar o chamado sistema de logstica reversa, ou seja, um mtodo para recolher os resduos que possam ser reciclados ou reutilizados e dar um destino final aos rejeitos, materiais que no podem ser reaproveitados. O governo tambm ter que mudar sua postura em relao ao lixo eletrnico. Segundo o IBGE, 63,6% dos municpios brasileiros utilizam lixes, uma prtica j proibida, e apenas 18,4 % deles acorrem a aterros controlados. Dados das Naes Unidas indicam que o Brasil o pas emergente que mais produz lixo eletrnico de computadores por habitante. Apesar da situao alarmante, no h dados oficiais sobre a quantidade de resduos gerados e reciclados. A lei representa uma mudana de mentalidade e defende que o lixo deve ser preocupao de todos. Assumir a responsabilidade pelo seu prprio lixo no to difcil quanto parece. O produtor de vdeos, Luiz Paulo Leo, 31 anos, coleta as pilhas e baterias que usa, assim como as dos colegas de trabalho, e as descarta numa das lixeiras especiais da Comlurb espalhadas pela cidade, para que tenham destino seguro. No d trabalho nenhum, questo de mirar na lixeira certa, conta. Um exemplo de como cada um pode ajudar a tornar o lixo eletrnico menos nocivo. Incluso e reciclagem A nova lei dos resduos slidos tenta mudar a ideia que se tem do lixo. Para especialistas, o termo carregado de preconceito e transmite a ideia de que o material no serve para nada. Na verdade, o que lixo para uns pode ser muito til para outros. Essa a aposta do Comit para Democratizao da Informtica (CDI), ONG que recebe doaes de computadores e perifricos para projetos de incluso digital e reciclagem. Alm de til, o lixo pode ser lucrativo. Sabetai Calderoni, presidente do Instituto Brasil Ambiente, afirma que os resduos podem gerar renda. Os eletrnicos contm materiais altamente valiosos. Reciclar este tipo de resduo significa fazer uma minerao segura, sem os impactos ambientais da atividade tradicional, explica Calderoni. Onde descartar? Quem quer descartar corretamente seu lixo eletrnico ainda precisa de um pouco de pacincia. Mas a expectativa que isso se torne cada vez mais simples. Os produtos mais fceis de jogar fora so pilhas, baterias e celulares. Para os primeiros, basta entrar no site da Comlurb e encontrar a cesta de coleta mais prxima. No entanto, a Comlurb no faz a reciclagem das pilhas, apenas as encaminha para um aterro sanitrio controlado. Uma opo melhor, neste caso, levar o produto a qualquer agncia do Banco Real, empresa que recicla o material. Para celulares, operadoras recolhem os aparelhos em suas lojas, para a reciclagem. Alm disso, empresas produtoras possuem pontos de coleta em suas assistncias tcnicas. Para computadores, notebooks e perifricos, fabricantes como Dell, Positivo e HP possuem programas de reciclagem de seus produtos. Fonte: Marina Estarque (Digital&Tal)