Curiosidades

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Como reciclar pilhas e baterias
País: Brasil
Fonte: Internet
Data: 11/2011
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
URL: http://www.maoparaofuturo.org.br/coleta-seletiva/pilhas-e-baterias/como-reciclar-pilhas-e-baterias/
Curiosidade (texto):
Sem Agresses ao Meio Ambiente No que depender das indstrias de pilhas e baterias representadas pela ABINEE Associao Brasileira da Indstria Eltrica e Eletrnica, o meio ambiente no Brasil estar protegido. Essas empresas investiram em pesquisa e tecnologia e reduziram a quantidade de metais potencialmente perigosos na maioria dos seus produtos. No caso das pilhas e baterias, cuja composio ainda no atenda a legislao, os fabricantes e importadores esto definindo a estratgia de recolhimento do produto esgotado, a partir de julho de 2000. Com tais iniciativas, so atendidas as exigncias do CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente, nas Resolues 257/99 e 263/99. Desde agosto de 1997, as indstrias de pilhas e baterias filiadas ABINEE tm participado de diversas reunies com rgos governamentais (nos mbitos municipal, estadual e federal), entidades civis e organismos no governamentais para discutir a questo da reciclagem, reutilizao e disposio final de pilhas e baterias. O resultado do amplo debate que incluiu diferentes setores da sociedade a Resoluo 257 publicada pelo CONAMA, em 22 de julho de 1999. Essa regulamentao, complementada em 22 de dezembro de 1999 pela Resoluo 263, estabeleceu duas referncias que limitam a quantidade de metais potencialmente perigosos usados na composio dos produtos. A primeira est em vigor desde janeiro de 2000 e a segunda ser vlida a partir de janeiro de 2001. As pilhas comuns e alcalinas, comercializadas pelas indstrias representadas pela ABINEE, j atendem os limites estabelecidos pelo CONAMA para 2001. Isto aconteceu graas ao investimento realizado pelas empresas que, desde a ltima dcada, desenvolveram pesquisas e tecnologia para controlar e reduzir o nvel de poluentes desses produtos. Utilizadas em lanternas, rdios, brinquedos, aparelhos de controle remoto, equipamentos fotogrficos, pagers e walkman, as pilhas comuns e alcalinas possuem um mercado no Brasil que soma cerca de 800 milhes de unidades/ano. E como no oferecem risco sade e nem ao meio ambiente, depois de esgotadas elas podem ser dispostas junto com os resduos domiciliares. O mesmo destino devem ter as pilhas e baterias especiais compostas pelos sistemas nquel-metal-hidreto, ons de ltio, ltio e zinco-ar e, tambm, as do tipo boto ou miniatura. Elas no produzem nenhum dano e tambm podem ser dispostas no lixo domstico. A recomendao para o descarte desses dois grupos de pilhas vale somente para os produtos em conformidade com as determinaes da Resolues 257 e 263. As empresas alertam para os cuidados que se deve ter com as pilhas e baterias falsificadas ou importadas ilegalmente que, na maioria das vezes, no atendem as especificaes corretas. Tratamento especial O artigo 1 da Resoluo 257 confere tratamento especial para as pilhas e baterias que contenham em suas composies chumbo, cdmio, mercrio e seus compostos, acima dos nveis estabelecidos nos artigos 5 e 6. Elas devem ser entregues, aps seu esgotamento energtico, pelos usurios aos estabelecimentos que as comercializam ou rede de assistncia tcnica autorizada pelas indstrias. A obrigatoriedade entra em vigor a partir de 22 de julho de 2000. Os fabricantes e importadores j esto definindo a estratgia ideal para realizar o recolhimento. Tambm deles a responsabilidade pelo tratamento final dos produtos que dever ser ecologicamente correta e obedecer a legislao. Sero devolvidas as seguintes pilhas e baterias: de chumbo cido, voltadas ao uso industrial e veicular (estas j possuem um esquema de coleta e reciclagem funcionando); de nquel cdmio, utilizadas principalmente em telefones celulares e aparelhos que usam pilhas e baterias recarregveis; e as de xido de mercrio, as quais no so produzidas e nem importadas pelas empresas do grupo tcnico de pilhas e lanternas da ABINEE. Como os distribuidores e consumidores podero distinguir as pilhas e baterias que devem ser devolvidas, daquelas que podem ser dispostas no lixo domstico? Uma identificao na embalagem do produto trar o smbolo indicando o destino correto. Artigos em destaque das Resolues 257 e 263 Art. 1 As pilhas e baterias que contenham em suas composies chumbo, cdmio, mercrio e seus compostos, destinadas a quaisquer tipos de aparelhos, veculos ou sistemas, mveis ou fixos, que as requeiram para o seu pleno funcionamento, bem como os produtos eletroeletrnicos que as contenham integradas em sua estrutura de forma no substituvel devero, aps o seu esgotamento energtico, ser entregues pelos usurios aos estabelecimentos que as comercializam ou rede de assistncia tcnica autorizada pelas respectivas indstrias, para repasse aos fabricantes ou importadores, para que estes adotem, diretamente ou atravs de terceiros, os procedimentos de reutilizao, reciclagem, tratamento ou disposio final ambientalmente adequada. Art. 5 A partir de 1 de janeiro de 2000, a fabricao, importao e comercializao de pilhas e baterias devero atender aos limites estabelecidos a seguir: I. com at 0,025% em peso de mercrio, quando forem do tipo zinco-mangans e alcalina-mangans; II. com at 0,025% em peso de cdmio, quando forem do tipo zinco-mangans e alcalina mangans; III. com at 0,400% em peso de chumbo, quando forem do tipo zinco-mangans e alcalina-mangans; IV. com at 25 mg de mercrio por elemento, quando forem do tipo pilhas miniaturas e boto. Art. 6 A partir de 1 de janeiro de 2001, a fabricao, importao e comercializao de pilhas e baterias devero atender aos limites estabelecidos a seguir: I. com at 0,010% em peso de mercrio, quando forem do tipo zinco-mangans e alcalina-mangans; II. com at 0,015% em peso de cdmio, quando forem do tipo zinco-mangans e alcalina-mangans; III. com at 0,200% em peso de chumbo, quando forem do tipos alcalina-mangans e zinco-mangans; IV. com at 25 mg de mercrio por elemento, quando forem do tipo pilhas miniaturas e boto. (inciso acrescido pela Resoluo 263). Art. 13 As pilhas e baterias que atenderem aos limites previstos no art. 6 podero der dispostas, juntamente com os resduos domiciliares, em aterros sanitrios licenciados. Pargrafo nico Os fabricantes e importadores devero identificar os produtos descritos no caput deste artigo, mediante a aposio nas embalagens e, quando couber, nos produtos, de smbolo que permita ao usurio distingu-los dos demais tipos de pilhas e baterias comercializados.