• Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:

    Data:





Curiosidades


Assunto: Sobe o nmero de cidades brasileiras que realizam coletiva seletiva
País: Brasil
Fonte: reciclaveis.com.br
Data: 9/2012
Enviado por: Rodrigo Imbelloni
URL: http://www.reciclaveis.com.br/noticias/012/0120906cidades.htm
Curiosidade (texto):
A coletiva seletiva j est presente em 766 municpios brasileiros, sendo adotada por 27 milhes de cidados, apontou a pesquisa Ciclosoft 2012, realizada pelo Compromisso Empresarial para Reciclagem (Cempre). Dos 5.565 municpios do pas, 14% j contam com o servio de coletiva seletiva estruturado. Em comparao a 2010, quando foi realizado o ltimo levantamento, houve crescimento de aproximadamente 73% no nmero de cidades que realizam a coleta (443). Regionalmente, o estudo indicou que as regies sul e sudeste concentram a maioria dos municpios com coletiva seletiva (86%). J nas regies norte, nordeste e centro-oeste este ndice ficou em 14%. Nos ltimos dois anos, cerca de cinco milhes de habitantes passaram a ter acesso aos programas de coletiva seletiva, com destaque para os municpios de Curitiba, Londrina, Porto Alegre, Santo Andr, So Jos dos Campos e Goinia, cujos programas alcanaram 100% de seus habitantes. A pesquisa apurou ainda que as prefeituras operam em 48% das cidades ouvidas, enquanto as empresas particulares realizam a coleta em 26%. As cooperativas de catadores de lixo atuam como executores em 65% das cidades, sejam elas apoiadas ou mantidas pelos municpios. J os programas com maior xito so os que existe a combinao dos diferentes modelos. Dos entrevistados, 53% participam por meio da entrega de seu lixo reciclvel nos Pontos de Entrega Voluntria (PEV‘s). Alm disso, foi verificado que 72% dos municpios apoiam e/ou contratam as cooperativas de catadores para integrar a estrutura da coleta. A Ciclosoft apurou tambm que o custo mdio do servio estruturado foi de R$ 424, enquanto a convencional custa R$ 95. Quanto aos materiais, os mais coletados, em peso, permanecem sendo os materiais reciclados, seguidos por plsticos, vidros, metais e longa vida. O nmero de rejeitos, entretanto, registrou aumento de 30%. Fonte: ltimoInstante