Textos e Trabalhos Ténicos

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:







Encontrado(s) 60 Trabalho(s) Técnico(s) no assunto COLETA SELETIVA

Clique para acessar A influncia da idade e da coleta seletiva na evoluo do peso especfico do resduo no aterro sanitrio de Santo Andr

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Para o desenvolvimento de um bom projeto de aterro sanitrio importante o conhecimento de alguns parmetros geotcnicos, tais como o peso especfico, a permeabilidade, a capacidade de campo, o teor de umidade, coeso, ngulo de atrito etc. Contudo, sabe-se que, em se tratando de resduos slidos das cidades brasileiras, tais parmetros ainda so escassos e de representatividade ainda questionvel. Para os resduos dispostos em aterros, o fator tempo extremamente relevante, bem como as caractersticas iniciais dos resduos dispostos, tendo em vista a degradao da matria orgnica e dos outros materiais presentes no macio, o que implica na variao ao longo do tempo das suas propriedades mecnicas. Visando estudar inicialmente o efeito da coleta seletiva e da idade de disposio no peso especifico estudaram-se amostras coletadas no Aterro Sanitrio de Santo Andr, em So Paulo, onde tambm se fizeram ensaios de cava in situ. Neste cidade praticada a coleta seletiva de resduos. Acredita-se que esta prtica influencia diversos aspectos geomecanicos na disposio final dos resduos em particular, o peso especfico, j que os materiais reciclveis selecionados e segregados antes da deposio no aterro, tais como garrafas plsticas, vidros, metais, dificultam a compactao e exigem um longo tempo para a sua degradao. Utilizou-se no presente trabalho um equipamento similar a um permemetro, denominado percmetro, com caractersticas especiais que permitem a coleta de amostras indeformadas dos resduos no campo e, posteriormente, determinar os seus pesos especficos. Com a finalidade de aumentar a confiabilidade dos resultados, foram feitos ensaios com a abertura de valas que permitiram a determinao de valores de pesos especficos em algumas das bermas do aterro, onde tambm foram realizados ensaios com o percmetro. Aproveitando-se das caractersticas do aterro em questo, foi possvel se determinar as idades das bermas e, conseqentemente, do lixo depositado. Por fim, foram tabulados os valores dos pesos especficos encontrados, confrontados com o tempo de disposio dos resduos e com a implantao da coleta seletiva, com a finalidade de se verificar a relao existente entre eles.

Clique para acessar Experincia da implantao de coleta seletiva no municpio de Ilha Solteira-SO

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Relata-se a experincia da implantao da coleta seletiva na cidade de Ilha Solteira, Estado de So Paulo, com cerca de 22.000 habitantes. A coleta iniciou-se com alguns Postos de Entrega Voluntria (PEV) instalados em escolas e entidades assistenciais, evoluindo posteriormente para coleta domiciliar abrangendo toda a cidade, com freqncia semanal. So analisados quantitativamente os resultados obtidos pelo programa, a partir da srie histrica de quantidades coletadas de material reciclvel. Os dados foram obtidos pela Prefeitura, que pesou o material coletado, separado em: papel, papelo, vidro, plstico, lata, ferro e alumnio, e coordenou a venda do material, retornando a renda dos PEVs s entidades participantes, o que permitiu analisar tambm aspectos econmicos, a partir dos valores auferidos com a venda dos materiais, diretamente a um ferro-velho. O ndice de desvio de aterro foi calculado em 1,82 por ciento, existindo grande espao para aperfeioamento. Considerando puramente o custo-benefcio o programa de coleta seletiva deficitrio. Os custos tm que ser considerados como um investimento em educao e de ganhos indiretos, como a vida til de aterro e reduo do desperdcio de recursos naturais. Neste contexto os PEVs podem assumir importante papel na racionalizao do processo de coleta seletiva, principalmente os ligados a entidades assistenciais, devido alta motivao proporcionada pela receita auferida. A partir da observao dessa experincia constatou-se a necessidade e a importncia de um centro de triagem e estocagem de material, do apoio constante das prefeituras, instalao do mximo nmero possvel de PEVs e que os aspectos de comercializao e divulgao devem merecer especial ateno

Clique para acessar Utilizao de sistema de informaes geogrficas (sig) na aplicao da roteirizao de coleta seletiva. estudo de caso: Joo Pessoa - PB

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho teve como objetivo o estudo das rotas dos carrinheiros, de modo a fornecer subsdios para o gerenciamento dos programas de coleta seletiva, buscando ferramentas que viabilizem uma coleta mais rpida e eficiente. O estudo foi desenvolvido nos bairros do Cabo Branco, Manara, Miramar e Tamba, que fazem parte do Ncleo 1 de coleta seletiva do municpio de Joo Pessoa PB, que apoiada pela Autarquia Especial de Limpeza Urbana EMLUR, desde setembro de 2000. A metodologia utilizada para o estudo da roteirizao dos carrinheiros foi o uso de um Sistema de Informaes Geogrficas SIG, no caso o ArcView GIS 3.2, que se baseou em dados obtidos junto a EMLUR e teve como base cartogrfica um mapa digital georeferenciado com dados referentes ao municpio de Joo Pessoa. Como resultados foram gerados mapas temticos com informaes sobre o percurso feito pelos carrinheiros da coleta seletiva, por dia da semana e por bairro contemplado. Foram geradas, tambm, outras informaes, criando-se um instrumento de compreenso mais acessvel populao, que pode ser aplicado na divulgao do trabalho de coleta seletiva, na conscientizao da importncia da participao de cada cidado e na contribuio para o gerenciamento e tomada de decises no setor de coleta seletiva da cidade de Joo Pessoa - PB.

Clique para acessarA coleta seletiva de residuos solidos domesticos : consideraes energeticas, ambientais e sociais para a regio das bacias dos rios Piracicaba e Capivari - SP

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A gerao de resduos slidos domsticos tem implicaes energticas, ambientais e sociais. Demonstra como se comporta a sociedade contempornea em meio s facilidades da vida moderna. A urbanizao sem planejamento provoca a concentrao de pessoas em espaos cada vez menores, fazendo surgir as metrpoles, onde o consumismo confundido com qualidade de vida. Por outro lado, a tendncia neoliberal que vem dominando o pas, reduz os rgos pblicos a captadores de recursos financeiros e terceirizadores de servios. Estes so alguns dos fatores que aumentam a gerao de resduos e uma das razes pelas quais os recursos energticos e naturais esto sendo consumidos muito depressa. Atravs da anlise da Regio das Bacias dos Rios Piracicaba e Capivari e da pesquisa em algumas cidades, foi possvel avaliar essas questes regionalmente e o quanto se conserva em energia eltrica atravs da coleta seletiva e da reciclagem e o quanto se desperdia quando boa parte do lixo vai para o aterro

Clique para acessarA COLETA SELETIVA DE RESDUOS SLIDOS URBANOS MODIFICANDO PADRES CULTURAIS NA POPULAO DO MUNICPIO DE SEDE NOVA - RS

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O projeto da Coleta Seletiva foi fomentado em cima dos objetivos de se priorizar a questo ambiental e a sade da populao. Desde 1988 quando surgiu a idia a partir da administrao pblica com fundamentao na lei dos Resduos Slidos Urbanos do estado do Rio Grande do Sul, sete Municpios da regio do Noroeste do Estado do RS, se uniram com o apoio financeiro da Fundao Nacional da Sade para juntos construrem o Consrcio Intermunicipal de Tratamento de Resduos Slidos Urbanos. Trabalhou-se por um perodo intenso de um ano com campanhas acirradas de Educao Ambiental para mobilizar e atingir toda a populao urbana do Municpio de Sede Nova/RS para o objetivo primordial separar o lixo adequadamente para ser recolhido pela empresa responsvel. Foi uma tarefa executada atrs da outra, sabia-se que a meta a ser alcanada dependia de trabalho e perseverana. A campanha foi iniciada aps pesquisa do meio de comunicao mais utilizado pela populao urbana do Municpio. Atravs dos agentes Comunitrios de Sade e a participao de alunos adentrou-se nos domiclios levando a informao correta de como proceder na nova maneira de tratar e dispor os nossos resduos urbanos. O Consrcio trabalha com a separao em quatro categorias de resduos urbanos: lixo orgnico ou mido, seco ou reciclvel, txico e contaminado. No inicio da utilizao do novo mtodo de coleta de lixo, teve-se alguns empecilhos, resistncia por parte de alguns grupos; que faziam uso dessa oposio por motivos como falta de hbito na separao do lixo, desleixo, contrariedades partidrias e principalmente falta de informao. A unidade de tratamento entrou em atividade em janeiro de 2000 e aps alguns meses pode-se constatar que a resistncia a coleta seletiva diminuiu, devido ao intenso trabalho de conscientizao, e passou-se a Ter mais adeptos com uma aderncia de quase 100% da populao. O que concedeu ao Municpio de Sede Nova/RS o primeiro lugar na separao dos resduos Slidos urbanos entre os sete municpios integrantes do CITRESU - Consrcio Intermunicipal de Tratamento de Resduos Slidos Urbanos.

Clique para acessarA coleta seletiva de Salvador de cunho social?

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A pesquisa utiliza a distribuio espacial da regio metropolitana de Salvador para traar um recorte epistemolgico da coleta seletiva formal desenvolvida pela Prefeitura Municipal, e informal atravs de projetos e cooperativas independentes. Sistematizou-se dados colhidos dentro das organizaes e nas comunidades onde elas esto inseridas, alm da visualizao e documentao de dinmicas praticas, a partir de uma ampla base emprica que auxilia para a compreenso do funcionamento deste universo. Constata-se o cunho social da coleta seletiva informal em Salvador, os maiores ndices de reciclagem em Salvador a exemplo do Brasil, devem-se aos catadores de materiais reciclveis de rua principalmente. a coleta seletiva informal, a qual normalmente no est inserida em nenhum programa oficial municipal nem em polticas sociais municipais. Os programas de coleta seletiva porta-a-porta e de entrega voluntria ainda so insignificantes em relao coleta seletiva informal praticada pelos catadores de rua.

Clique para acessarA COLETA SELETIVA DO LIXO NA USP: Aes por um campus sustentvel

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarA COLETA SELETIVA PARA RECICLAGEM DE LEO E GORDURA RESIDUAL - Um estudo em unidades comerciais de alimentao de Salvador

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho analisa o processo da coleta seletiva de leos e gorduras residuais - OGR realizada em unidades comerciais de alimentao. Para tal foi feita uma reviso da literatura sobre leo vegetal contemplando desde suas caractersticas at a gerao de OGR, mostrando a importncia da coleta seletiva deste resduo, o diferencial da educao na sensibilizao para a coleta seletiva do OGR, a legislao vigente e projetos de lei em tramitao, as aes de coleta seletiva de OGR realizadas em diferentes partes do territrio nacional, os rgos pblicos de manejo de resduos e preservao ambiental. Objetivando levantar dados sobre a realizao da coleta seletiva de OGR em restaurantes de Salvador, foram aplicadas as seguintes estratgias metodolgicas: entrevista com a empresa de limpeza urbana de Salvador e rgos pblicos que tratam da sade e meio ambiente, abordando as aes realizadas pelos mesmos sobre o controle no descarte e incentivo coleta seletiva de OGR; entrevista com a Associao Brasileira de Bares e Restaurantes, questionando o apoio recebido pela Associao das entidades pblicas e qual apoio esta Associao repassa aos estabelecimentos cadastrados quanto coleta seletiva de OGR, e um estudo em 20 estabelecimentos, visando observar os procedimentos no preparo dos alimentos na fritura por imerso e o descarte de OGR. Confrontando as informaes, observa-se a deficincia de aes dos rgos da esfera pblica quanto ao controle de lanamento do OGR no meio ambiente por esta funo no estar claramente discriminada em suas competncias e por no haver uma legislao especfica em vigor. Ainda no se tem um numero preciso de estabelecimentos que realizam a coleta, mas crescente o nmero de estabelecimentos que realizam esta segregao, para evitar o descarte indevido do OGR e pelo interesse econmico dos coletores. O estudo sugere uma ateno maior s boas prticas sugeridas pela ANVISA de modo a ser acompanhada pelos rgos pblicos de controle ambiental e pelos estabelecimentos geradores de OGR, reduzindo o descarte inadequado do OGR e contribuindo para uma melhor qualidade na preparao dos alimentos.

Clique para acessarA IMPORTNCIA DA COLETA SELETIVA PARA O MEIO AMBIENTE

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Compreender o atual estado da coleta seletiva implantada na Faculdade Estcio de S de Ourinhos (FAESO) preponderante no sentido de identificar o papel da instituio na formao dos seus estudantes. A pesquisa de campo utilizou o mtodo de entrevistas, questionrios e estudo terico, buscando a verdadeira situao da coleta seletiva. Demonstrou que o descaso do poder pblico se reflete na instituio em funo da desmotivao dos funcionrios, desconhecimento de sua importncia pelos alunos e descomprometimento dos professores em relao a essa questo. Tendo que o meio ambiente fundamental no desenvolvimento do turismo do municpio fica evidente a necessidade de propor estratgias para viabilizar eternamente a coleta seletiva de resduos slidos na Faculdade Estcio de S de Ourinhos (FAESO).

Clique para acessarA parceria na coleta seletiva de Londrina sob a tica da economia dos custos de transao: um estudo de caso

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O presente trabalho tem como objetivo analisar a parceria entre administrao pblica municipal e organizaes do terceiro setor sob a tica da Economia dos Custos de Transao. Para tanto, fez-se uma reviso terica sobre administrao pblica no Brasil, parceria, redes, Economia dos Custos de Transao e coleta seletiva. Em seguida foi realizada uma pesquisa emprica atravs de um instrumento semi-estruturado e secundariamente de anlise documental dos contratos de coleta de resduos slidos do municpio de Londrina. Os resultados finais apontam ganhos econmicos oriundos das mudanas nos arranjos institucionais do processo de coleta seletiva, a partir da parceria firmada entre a Prefeitura Municipal e organizaes do terceiro setor. Sob a tica da Economia dos Custos de Transao, tem-se que: i) grande a freqncia de interao entre os agentes, o que contribui para o conhecimento mtuo dos agentes, mas no elimina a ocorrncia de incerteza, sobretudo por parte das associaes; ii) a incerteza no sistema e tambm a percepo falha dos mecanismos de incentivos por parte das associaes torna comum a ocorrncia de comportamentos oportunistas; iii) foram encontrados ativos de alta especificidade na coleta seletiva, mas eles se concentram, em sua maioria, na empresa terceirizada e na central de processamento e venda que congrega os grupos; iv) o sistema atual, apesar de apresentar maiores custos de transao (sobretudo de gerenciamento do sistema) do que se uma empresa terceirizada assumisse todo o sistema, apresenta uma reduo significativa nos custos operacionais e com grande impacto tambm nos custos da coleta convencional, o que torna o sistema como um todo menos custoso para os cofres pblicos; v) trata-se de uma forma de governana hbrida regida por um contrato flexvel, mas que caminha para a fixao de um contrato mais rgido e formal.

Clique para acessarA participao social em programas de coleta seletiva por postos de entrega voluntria no municpio de Vitria (ES)

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A participao da populao em Programas de Coleta Seletiva decorrncia da organizao e adequao da infraestrutura implantada para dar suporte ao programa e da existncia de aes continuadas de divulgao, mobilizao e informao populao envolvida. A existncia da coleta seletiva vista como algo benfico pela populao, destacando-se como fatores de motivao para a participao social: o meio ambiente e a qualidade de vida, associado melhoria da limpeza urbana. No entanto, a participao voluntria da populao no Programas de Coleta Seletiva por Pontos de Entrega Voluntria baixa, podendo aumentar a longo prazo. A partir da experincia acumulada na implantao e operao da coleta seletiva no municpio de Vitria (ES), atravs de Postos de Entrega Voluntria (PEVs), tem-se levantado e avaliado os principais aspectos envolvidos na participao social.

Clique para acessarANLISE DO MERCADO BRASILEIRO DE RECICLAGEM DE RESDUOS SLIDOS URBANOS E EXPERINCIAS DE COLETA SELETIVA EM ALGUNS MUNICPIOS PAULISTAS

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarAnlise do processo de implantao do programa de coleta seletiva na cidade de Joo Pessoa - Paraba

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarAnlise scio-cultural e economica da separao domiciliar de resduos urbanos e coleta seletiva em Florianpolis, Brasil

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A quantidade crescente de resduos produzida pela sociedade uma das fontes indiscutveis de deteriorao ambiental, tendo como consequncia srios problemas ambientais para as cidades, na medida em que persiste a inadequao tecnolgica dos processos industriais e, igualmente, no comportamento de consumo e de descarte destes materiais. A abordagem adotada neste trabalho entende que os problemas ambientais esto intimamente relacionados com as questes scio-econmicas e culturais que afetam as condies de vida nas cidades. Apresenta-se os resultados de estudos realizados sobre como os grupos populacionais vivenciam a prtica social de separao diria de resduos e os custos econmicos comparativos da coleta seletiva e convencional. A metodologia adotada consistiu em analisar o bairro Balnerio, em Florianpolis que foi o pioneiro de classe mdia na adoo da separao domiciliar no sistema porta--porta. Os resultados permitem avaliar que a partir da anlise economica tradicional, os custos de um programa de coleta seletiva so elevados quando comparados com os custos da coleta convencional e que a participao da populao de fundamental importncia para a produtividade do sistema. Percebe-se ainda que a prtica da separao dos resduos resulta nos participantes uma redefinio de valores, comportamentos e princpios. As concluses do estudo mostram que estes programas, que parecem a princpio lograr xito apenas em cidades de primeiro mundo, devido as suas caractersticas scio-economicas e culturais, vm desmitificar a impossibilidade para cidades da Amrica do Sul e Central.

Clique para acessarAplicaao de indicadores no planejamento e gestao de programas de coleta seletiva de resduos slidos urbanos: estudo de caso

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A criteriosa avaliao dos fatores envolvidos no planejamento e implantao da Coleta Seletiva de RSU contribui decisivamente para a adoo de diretrizes adequadas, em especial quanto a sua eficincia operacional e efetiva adeso da populao alvo ao programa. A partir de reviso bibliogrfica e de visita tcnica a 5 experincias municipais brasileiras de coleta seletiva, constatou-se a necessidade de padronizar a apresentao de dados e informaes referentes coleta seletiva no pas, o que permitiria comparaes entre elas e proporcionaria anlises para subsidiar a implantao de novos programas, o planejamento e a execuo de polticas pblicas para o setor e aes mais apropriadas e sustentveis. Objetivo: Identificar os pontos crticos do Programa de Coleta Seletiva implantado no municpio de Vitria, Esprito Santo, Brasil, a partir da aplicao de indicadores de referncia para coleta seletiva srie histrica de dados do municpio, e levantar os aspectos que impedem ou dificultam a participao da populao. Mtodos e Tcnicas. A metodologia adotada consistiu na aplicao de srie histrica de dados, gerados pelos programas de coleta seletiva de Vitria, a grupo de indicadores anteriormente validados por instrumento de pesquisa quantitativo associado a mtodos estatsticos, para testar a adequao dos mesmos como ferramenta ao planejamento e avaliao de Programas de Coleta Seletiva. Como subsdio ao desenvolvimento do trabalho, inicialmente, foram visitados 5 programas de coleta seletiva, desenvolvidos por governos municipais, com o objetivo de conhecer aspectos operacionais e da participao social, sendo realizado diagnstico mais detalhado do municpio escolhido como estudo de caso (Vitria). Da anlise global dos resultados foram identificados aspectos que impedem e/ou dificultam a participao da populao na coleta seletiva. Resultados. A aplicao dos indicadores mostrou-se adequada e suficiente, possibilitando a identificao de informaes importantes, que embasaram a avaliao do andamento e dos resultados do referido Programa. Como resultado foi possvel identificar os pontos crticos e as principais dificuldades do programa de coleta seletiva de Vitria, similares aos aspectos levantados nos demais programas de coleta seletiva visitados. Os pontos crticos identificados referem-se a dificuldades para operao e ampliao do programa existente, nos moldes implantados, alm de garantia de sua continuidade ao longo do tempo. Os principais fatores de motivao da populao quanto participao na coleta seletiva foram: o meio ambiente e a qualidade de vida, associados melhoria da limpeza urbana do municpio. Concluses e Recomendaes. Os resultados obtidos podem ter grande aplicao no gerenciamento, ampliao e melhoria de programas de coleta seletiva em todo pas, uma vez que a aplicao do grupo de indicadores institudo relativamente simples e representa adequadamente os diversos aspectos operacionais envolvidos. A avaliao peridica desses programas permite identificar os pontos fortes e os pontos crticos dos mesmos, o custo-benefcio de sua implantao, a sustentabilidade e os entraves para sua continuidade, como tambm possibilita a correo da rota do programa a tempo. A participao da populao na coleta seletiva decorrncia da organizao e adequao da estrutura implantada para dar suporte ao programa e da existncia de aes continuadas de divulgao, informao e mobilizao. Recomenda-se que os responsveis pela coleta seletiva criem rotinas de registro de informaes e cadastro de dados sobre o seu desenvolvimento e que sejam periodicamente divulgados na forma de indicadores.

Clique para acessarASPECTOS DA COLETA SELETIVA NO BRASIL

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarAVALIAO PARTICIPANTE DE PROJETOS DE COLETA SELETIVA DE LIXO

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarBENEFCIOS ECONMICOS E AMBIENTAIS ADVINDOS DA COLETA SELETIVA COM BENEFICIAMENTO FINANCEIRO NA CIDADE DE JAGUARIBE CEAR

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A questo ambiental tornou-se um tema amplamente debatido em todos os meios, em vista da crescente degradao existente. Os leos alimentares, em especial aqueles utilizados nas frituras, surgem nesse contexto como um resduo gerado diariamente nos lares e estabelecimento do pas. Devido falta de informao e/ou carncia de disseminao de idias, este resduo acaba sendo descartado de forma indevida gerando srios problemas para o meio ambiente e para ns, seres humanos. necessrio sensibilizar a populao, pois tal questo, embora conflitante, precisa ser tratada com a seriedade que o caso merece, pois todos ns somos responsveis pela preservao do meio ambiente. Nesse sentido, o presente artigo visa apresentar uma discusso acerca dos benefcios econmicos, sociais e ambientais que a implantao de um sistema de coleta seletiva poder proporcionar para o municpio de Jaguaribe Cear. Alm disso, busca-se destacar a importncia de aes individuais, por parte de cada um de ns, em prol da preservao do meio ambiente, contribuindo para o desenvolvimento sustentvel.

Clique para acessarColeta de lixo em comuidades de baixa renda : a nova experiencia da comlurb

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarCOLETA SELETIVA

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarColeta Seletiva - Reciclando Materiais, Reciclando Valores

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarColeta Seletiva de lixo e a reduo do desperdcio

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: No Brasil, os ndices de desperdcio so assustadores, contrapondo-se misria de parte da populao que tem como nica fonte de sobrevivncia a catao de materiais do lixo. Nesse contexto, o projeto de coleta seletiva de Belo Horizonte vem buscando, desde 1993, uma mudana de comportamento da populao na gerao e no trato com o lixo, principalmente em relao ao desperdcio inerente sociedade de consumo. Atua assim junto s causas do problema, no se constituindo em um mero sistema de separao e de coleta diferenciada. Trata-se de um instrumento concreto de incentivo reduo, reutilizao e separao dos materiais para a reciclagem, feita prioritariamente em parceria com os catadores de papel. Esse processo vem sendo desencadeado junto a espaos multiplicadores, destacando-se escolas, igrejas e instituies pblicas e privadas, com treinamentos e atividades ldicas que informam e sensibilizam para as questes ambientais relativas ao lixo e em especial para o fato de que o problema do lixo s pode ser minimizado se alterarmos a nossa postura como consumidores. Com reflexos positivos para a limpeza da cidade, a implantao da coleta seletiva vem viabilizando retorno social e econmico para a populao carente de Belo Horzonte. Vrias medidas de reduo do lixo vm sendo implementadas pelas escolas e outras instituies e os reciclveis - papel, metal, vidro e plstico - tm sido levados pela populao at os Locais de Entrega voluntria - LEVs, equipamentos instalados pela SLU.

Clique para acessarColeta seletiva de resduos slidos urbanos modificando padres culturais na populao do Municpio de Sede Nova - RS

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O projeto da Coleta Seletiva foi fomentado em cima dos objetivos de se priorizar a questo ambiental e a sade da populao. Desde 1988 quando surgiu a idia a partir da administrao pblica com fundamentao na lei dos Resduos Slidos Urbanos do estado do Rio Grande do Sul, sete Municpios da regio do Noroeste do Estado do RS, se uniram com o apoio financeiro da Fundao Nacional da Sade para juntos construrem o Consrcio Intermunicipal de Tratamento de Resduos Slidos Urbanos. Trabalhou-se por um perodo intenso de um ano com campanhas acirradas de Educao Ambiental para mobilizar e atingir toda a populao urbana do Municpio de Sede Nova/RS para o objetivo primordial separar o lixo adequadamente para ser recolhido pela empresa responsvel. Foi uma tarefa executada atrs da outra, sabia-se que a meta a ser alcanada dependia de trabalho e perseverana. A campanha foi iniciada aps pesquisa do meio de comunicao mais utilizado pela populao urbana do Municpio. Atravs dos agentes Comunitrios de Sade e a participao de alunos adentrou-se nos domiclios levando a informao correta de como proceder na nova maneira de tratar e dispor os nossos resduos urbanos. O Consrcio trabalha com a separao em quatro categorias de resduos urbanos: lixo orgnico ou mido, seco ou reciclvel, txico e contaminado. No inicio da utilizao do novo mtodo de coleta de lixo, teve-se alguns empecilhos, resistncia por parte de alguns grupos; que faziam uso dessa oposio por motivos como falta de hbito na separao do lixo, desleixo, contrariedades partidrias e principalmente falta de informao. A unidade de tratamento entrou em atividade em janeiro de 2000 e aps alguns meses pode-se constatar que a resistncia a coleta seletiva diminuiu, devido ao intenso trabalho de conscientizao, e passou-se a Ter mais adeptos com uma aderncia de quase 100% da populao. O que concedeu ao Municpio de Sede Nova/RS o primeiro lugar na separao dos resduos Slidos urbanos entre os sete municpios integrantes do CITRESU - Consrcio Intermunicipal de Tratamento de Resduos Slidos Urbanos.

Clique para acessarColeta seletiva de resduos slidos urbanos: aspectos operacionais e da participao da populao

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A criteriosa avaliao dos fatores envolvidos no planejamento e implantao da Coleta Seletiva de RSU contribui decisivamente para a adoo de diretrizes adequadas, em especial quanto a sua eficincia operacional e efetiva adeso da populao alvo ao programa. Hipteses. Hiptese 1: possvel representar os diversos aspectos operacionais envolvidos em Programas de Coleta Seletiva a partir de um grupo de indicadores. Hiptese 2: O tipo de participao social fator de maior ou menor sucesso dos programas de coleta seletiva, havendo diferentes respostas da populao em relao participao que podem ser agrupadas em: grupo cativo, de participao eventual e que no participa. Objetivo. Avaliar aspectos operacionais e da participao da populao em Programas de Coleta Seletiva de resduos slidos urbanos, tendo como estudo de caso o municpio de Vitria-ES, com a finalidade de: i) instituir grupo de indicadores de referncia para o planejamento e a avaliao de desempenho de Programas de Coleta Seletiva; ii) identificar fatores de motivao da populao quanto a participao em Programas de Coleta Seletiva; iii) propor diretrizes para subsidiar polticas publicas em Programas de Coleta Seletiva. Mtodo. Estudo descritivo no qual, aps etapa inicial preparatria, foram coletados dados de natureza qualitativa e quantitativa em campo, a partir de instrumentos de pesquisas adequados, que receberam tratamento estatstico e foram base dos resultados, da avaliao, da anlise de pontos crticos, da discusso e da concluso. Em carter complementar foi levantado o nvel de informao da populao direta e indiretamente envolvida com a implementao da coleta seletiva em Vitria. Resultados. A partir da reviso bibliogrfica foram identificados 25 indicadores mais utilizados no pas os quais, aps terem sido validados por instrumento de pesquisa quantitativo associado a mtodos estatsticos, foram reduzidos a 6 indicadores considerados como Grupo de Indicadores de Referncia. Esse grupo contemplou aspectos operacionais de custo, de escala e de participao da populao e foi aplicado srie histrica de dados do municpio de Vitria, propiciando a identificao dos pontos crticos do programa de coleta seletiva implantado e demonstrando sua viabilidade. Os principais fatores de motivao da populao quanto participao na coleta seletiva foram: o meio ambiente e a qualidade de vida, associado melhoria da limpeza urbana. Concluses e Recomendaes. Os resultados obtidos podero ter grande aplicao no gerenciamento, ampliao e melhoria de programas de coleta seletiva em todo pas uma vez que a aplicao do grupo de indicadores institudo relativamente simples e representa adequadamente os diversos aspectos operacionais envolvidos. A diviso da populao alvo de programas de coleta seletiva em grupo cativo, de participao eventual e que no participa adequada e proporciona anlise mais simplificada e planejamento das aes de mobilizao e divulgao. A participao da populao na coleta seletiva decorrncia da organizao e adequao da estrutura implantada para dar suporte ao programa e da existncia de aes continuadas de divulgao, informao e mobilizao. Recomenda-se que os responsveis pela coleta seletiva criem rotinas de registro de informaes e cadastro de dados sobre o seu desenvolvimento e que sejam periodicamente divulgados na forma de indicadores. Destacam-se a necessidade e a importncia da criao de poltica pblica para o setor.

Clique para acessarCOLETA SELETIVA DE RESDUOS SLIDOS: RECICLAGEM E MEIO AMBIENTE

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho trata-se de uma experincia piloto de Coleta Seletiva de Resduos Slidos em um Bairro de Campina Grande PB. A proposta visa diminuir o desperdcio, identificando, valorizando e favorecendo as possibilidades de reutilizao e reciclagem dos resduos slidos coletados seletivamente; reduzir os impactos ambientais do lixo; contribuir para a reduo da extrao de matria-prima na natureza e estimular a adoo de posturas saudveis do ponto de vista social, econmico e ambiental. Constitui-se, ainda numa frente de trabalho e gerao de renda para populaes excludas. Para isso foram realizadas atividades voltadas para a capacitao dos catadores para a coleta seletiva, triagem de materiais polimricos e cooperativismo, alm de aes de sensibilizao junto comunidade abrangida pelo projeto. Dos resultados alcanados, pode-se verificar que a Coleta Seletiva feita na fonte geradora tem favorecido um melhor aproveitamento dos resduos destinados reciclagem. Notou-se ainda, algumas mudanas de comportamento dos catadores nos aspectos organizacionais, sociais e de trabalho a partir das reunies, cursos ministrados, da participao na coleta seletiva e da criao da Cooperativa de Trabalhadores de Materiais Reciclveis (COTRAMARE), que contando atualmente com 55 cooperados.

Clique para acessarCOLETA SELETIVA E COMPOSTAGEM TERMOFLICA DA FRAO ORGNICA DOS RESDUOS SLIDOS GERADOS EM MUNICPIO DE PEQUENO PORTE (ESTUDO DE CASO)

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarColeta seletiva e compostagem termofilica da frao organica dos resduos slidos gerados em pequeno porte: estudo de caso

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Um dos grandes desafios das administraes pblicas diz respeito ao gerenciamento dos resduos slidos urbanos. Para solucionar o manejo de resduos slidos municipais no suficiente conhecer os aspectos tcnicos das atividades de coleta, limpeza das ruas e disposio final. necessrio tambm a aplicao de novos conceitos relacionados captao de recursos financeiros, os enfoques de descentralizao e a maior participao do setor privado, os fatores concomitantes de sade pblica, meio ambiente, excluso social e de educao sanitria e ambiental contnuo e participativo. Sistemas de coleta seletiva de lixo vm sendo amplamente difundidos e aplicados em muitos municpios, e percebe - se a carncia por uma tecnologia de tratamento da frao orgnica dos resduos slidos condizentes com a realidade brasileira. Sendo assim, o presente trabalho vem relatar um estudo realizado no municpio de Angelina/SC no sentido de comprovar a viabilidade tcnica, operacional e legal do tratamento dos resduos slidos orgnicos, provenientes de um programa municipal de coleta seletiva, atravs da tcnica de compostagem termoflica em leiras fixas. O sistema de compostagem proposto tem como caractersticas principais: baixo custo de implantao, no requer revolvimentos peridicos da massa de lixo e sanitariamente adequado. O trabalho de pesquisa est em andamento, sendo que os estudos at o presente momento possibilitaram a avaliao dos ndices de segregao e aproveitamento da frao orgnica do lixo urbano, a quantificao dos resduos slidos encaminhados para o ptio de compostagem e tambm o monitoramento fsico da temperatura nas leiras de compostagem. Esto sendo analisados os seguintes parmetros: pH, slidos volteis, umidade, relao C/N, macro nutrientes, coliformes fecais e metais pesados. O sistema de compostagem termoflica em leiras fixas est em funcionamento a aproximadamente 1 ano. Nesse perodo foram confeccionadas 11 leiras de compostagem, onde foram tratados aproximadamente 84 toneladas de resduos orgnicos,caracterizando se como um processo controlado, operacionalmente vivel e que respeita os requisitos exigidos pelo rgo ambiental do estado de Santa Catarina Fundao do Meio Ambiente FATMA/SC.

Clique para acessarCOLETA SELETIVA E NEGCIO DE SUCATA COMO PARMETROS DE MEDIO DE UMA INTERVENO EM EDUCAO E GESTO AMBIENTAL

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarColeta Seletiva e Reciclagem do Lixo

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarColeta Seletiva em Condomnios: como organizar

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarColeta seletiva em Natal: avaliao de implantao sob o ponto de vista da comundade e dos catadores

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O crescimento do espao urbano provoca necessidades de ampliao dos servios de infra-estrutura na rea de saneamento ambiental. Uma das principais preocupaes das administraes municipais o gerenciamento dos resduos slidos em face da necessidade crescente de locais para construo de aterros, dos problemas sociais e de sade associados disposio inadequada e formao de depsitos clandestinos que geram desconforto para toda a comunidade. Em Natal, a partir de dezembro de 2003 foi implantado o programa de coleta seletiva porta a porta numa parceria da Prefeitura com Associaes de Catadores. Esse programa teve por objetivo minimizar os impactos sociais decorrentes do fechamento do lixo de Cidade Nova, diminuir os custos para a administrao municipal na disposio em aterro sanitrio e oferecer um destino adequado aos resduos reciclveis, gerando renda as famlias dos catadores que sobrevivem dessa atividade e prolongando a vida do aterro sanitrio da Regio Metropolitana e Natal que entrou em operao recentemente. Este trabalho analisa em dois bairros da cidade de Natal o programa implantado, com relao aos aspectos tcnicos e operacionais e de insero social sob a tica dos beneficirios diretos desse programa que so a comunidade, privilegiada com o conforto de ter seu material coletado em casa, e os catadores de reciclveis, que tiveram modificado a forma e ambiente de trabalho. Desde a implantao j foram coletadas 2.327 toneladas at maro de 2005 e esto sendo beneficiadas 41 localidades, entre bairros e comunidades da cidade de Natal. Para operacionalizar a coleta seletiva foram capacitados 249 catadores que atualmente esto divididos em trs Associaes de Catadores e 2 Grupos de Trabalhos autnomos apoiados pela Prefeitura atravs da URBANA e da Secretaria de Ao Social. Nos bairros onde foi realizado o diagnstico, 85,8% da populao considera a implantao do programa de bom a timo e 95% dos catadores preferem estar no programa de coleta seletiva a estar no ambiente inspito e insalubre de lixo.

Clique para acessarColeta seletiva em parques de entretenimentos

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O atual modelo de sociedade de consumo, vem contribuindo de forma significativa para o crescimento de gerao de embalagens (descartveis), este fato est atrelado as vantagens apresentadas pelo estilo fast-food e as necessidades do mundo moderno. Grard Bertolini, expert francs em seu livro la double vie des embalages faz uma anlise aprofundada sobre a relao produto-embalagem. No Brasil com a estabilizao da economia , observa-se uma movimentao ascendente de classes sociais (Rev. Veja, n 0 17, 96), se possvel fazer uma leitura de melhoria de qualidade de vida de uma populao a partir do crescimento de ndices de consumo, com benefcios para todos a nvel de empregos e para a indstria - este fato est tambm veiculado a necessidade de aes de minimizao de impactos ambientais gerados pelos descartveis (embalagens), considerando que aps o produto consumido resta a embalagem e esse resduo tem um custo para ser eliminado/tratado. Graas ainda a perspectiva de ampliao da classe mdia brasileira (35%) com a estabilidade da economia, ocorre em todo o pas uma exploso de franquias particularmente originarias dos Estados Unidos da Amrica do Norte, elas adotam o estilo fast-food contribuindo com o aumento dos resduos secos. Este artigo desenha a concepo de um programa de coleta seletiva para parques de entretenimentos particularmente os que adotam o estilo fast-food, com capacidade de receber em torno de 3.500 pessoas por dia, alm de estimar a produo do lixo e definir a tipologia do material a ser descartado separadamente. O estudo te m a pretenso de apresentar uma sada minimizadora para empreendimentos de lazer, enquanto no se definir uma poltica nacional de resduos slidos.

Clique para acessarColeta seletiva para municpios de pequeno porte no vale do Paraba so Sul Paulista

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O objetivo geral do trabalho estudar a possibilidade de implantao de coleta seletiva e reciclagem de forma multimunicipal no Vale do Paraba do Sul Paulista, tendo ainda como objetivos especficos: identificar problemas na implantao destes programas; fazer propostas para viabilizar a implantao dos programas; propor solues integradas para resoluo dos problemas da disposio final inadequada dos resduos slidos dos pequenos municpios e minimizar os resduos destinados aos lixes e valas. Os mtodos e tcnicas utilizados para a elaborao deste trabalho foram: a) Consulta a fontes tradicionais de pesquisa para obteno de textos, dados e mapas. b) Elaborao de um primeiro questionrio, dirigido aos 34 municpios que compem o Vale do Paraba do Sul Paulista, buscando informaes sobre a caracterizao dos mesmos. c) Seleo do grupo de cidades, de acordo com caractersticas especficas. d) Elaborao de um segundo questionrio mais abrangente para as cidades selecionadas. No trabalho consideramos a diviso poltico-administrativa da regio do Vale do Paraba do Sul, concentrando-se no trecho paulista do Rio Paraba do Sul, que compreende 34 municpios com uma populao urbana total de 1.474.185 habitantes e uma rea de 14.396 km2 de territrio. Os sete municpios selecionados como foco do estudo foram escolhidos considerando-se nove variveis. A aplicao de programas de coleta seletiva e reciclagem para estes pequenos municpios deve considerar as dificuldades inerentes a estas comunidades que quase sempre no possuem pessoal em nmero e nem contam com corpo tcnico suficiente para cuidar dos problemas que o movimento pela coleta e reciclagem gera nas suas atividades rotineiras. Via de regra, as pessoas e os departamentos encarregados pelos servios de limpeza urbana so responsveis tambm por manter outros servios como sistema de gua e esgoto, veculos da frota, conservao de ruas e assim por diante. A unio de esforos traz o ganho de escala, com a vantagem de se poder dividir os custos entre os participantes e ganhar maior representatividade na eventualidade de se pleitear financiamentos. Sugerimos a criao de um consrcio entre os municpios escolhidos, no apenas para implantar programas de coleta seletiva e reciclagem, mas para um gerenciamento integrado dos resduos slidos.

Clique para acessarColeta seletiva por pontos de entrega voluntria: a experincia de Canoas/RS

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A coleta seletiva dos materiais presentes nos resduos slidos domiciliares uma necessidade que se impe, face crescente conscientizao social sobre o desperdcio de matrias primas e de energia e o comprometimento de reas cada vez maiores com disposio de resduos slidos. Os municpios, no entanto, ressentem-se dos altos custos deste processo e da dificuldade em mobilizar a populao para a mudana de hbitos de descarte. A par disto, catadores, organizados ou no, mobilizam comunidades para a segregao dos resduos e associaes de catadores surgem e se consolidam margem do Poder Pblico. Ainda, o fenmeno do catador de rua compromete em escala crescente os sistemas municipais de gerenciamento de resduos slidos. Este trabalho apresenta a experincia do municpio de Canoas/RS de parceira Poder Pblico catadores organizados como uma alternativa de incluso destes agentes ao sistema municipal, de forma gradual e a baixo custo, valorizando a capacidade do catador de mobilizar a sociedade e resgatando sua cidadania.

Clique para acessarColeta Seletiva Solidria: desafios no caminho da retrica prtica sustentvel

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O programa Coleta Seletiva Solidria, iniciado em 2003 pela Prefeitura de
So Paulo e que prev a realizao da coleta seletiva domiciliar na cidade por meio
de cooperativas de ex-catadores de materiais reciclveis subsidiadas pelo poder
pblico, sustentvel em termos econmicos, sociais e ambientais? A iniciativa dispe dos elementos e consegue alcanar os resultados que, na prtica, podem garantir a sua manuteno como poltica pblica? Para tentar responder essas duas perguntas, este trabalho se valeu da aplicao de indicadores de sustentabilidade para programas municipais de coleta seletiva em
parceria com ex-catadores e para as organizaes neles envolvidas

Clique para acessarConhecimento e a participao da populao da cidade de Joo Pessoa, Brasil no seu programa de coleta seletiva

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Dentro da gesto dos resduos slidos, sobressai-se o processo de coleta seletiva que consiste na separao na fonte geradora, dos componentes que podem ser recuperados e que devem ter acondicionamentos distintos, para serem comercializados. Este estudo foi realizado no Ncleo 1 (abrangendo os bairros de Cabo Branco, Manara, Miramar e Tamba) de coleta seletiva da cidade de Joo Pessoa Paraba - Brasil, implantado desde setembro de 2000 e apoiado pela Autarquia Especial Municipal de Limpeza Urbana (EMLUR). Este trabalho justificou-se pela necessidade de coletar informaes sobre os problemas e solues da coleta seletiva, visando subsidiar os gestores municipais na tomada de decises, no que se refere gesto dos resduos slidos, otimizando os recursos pblicos, diminuindo os impactos negativos ao meio ambiente e induzindo questionamentos que venham promover alteraes nos hbitos de consumo e desperdcios na sociedade em que vivemos. O objetivo do trabalho foi analisar a adeso da populao da cidade de Joo Pessoa para implantao da pr-coleta nos Sistemas de Coleta Seletiva de Resduos Slidos Domiciliares. Neste trabalho desenvolveu-se uma pesquisa de campo com o objetivo de obter dados qualitativos e quantitativos, que demonstrassem o conhecimento e a participao da comunidade do Ncleo 1 do programa de coleta seletiva. As etapas de aquisio dos dados adotadas nesta pesquisa foram as seguintes e: elaborao de questionrios, determinao do tamanho da amostra, aplicao dos formulrios anlise estatstica dos dados. Do exposto pode-se concluir que a maioria da populao que faz parte do Ncleo 1, aderiu ao programa de coleta seletiva, entretanto, ainda h uma grande parcela que pode fazer parte e para isto necessita de uma divulgao maior do programa por parte da Prefeitura Municipal. Tanto os entrevistados que fazem a pr-coleta seletiva e os que no a fazem afirmaram que atravs de um incentivo proposto eles fariam a pr-coleta em quatro fraes, pois entre outras vantagens, minimizaria o tempo de separao na central de triagem e viabilizaria uma maior coleta. Pode-se observar que a opo que se refere aos recipientes adequados para cada tipo de resduo situado prximo residncia dos entrevistados foi a mais solicitada e a ltima foi a reduo na Taxa de Coleta de Resduos (TCR), entretanto, a Prefeitura j d um desconto de 5% nos bairros que h coleta seletiva.

Clique para acessarCritrios de dimensionamento para coleta e disposio final em aterro sanitrio - uma reviso bibliogrfica

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho tem a misso de trazer um memorial de aes a serem tomadas na composio de um projeto de coleta e disposio final por aterro sanitrio em pequenos municpios. Passa pela exposio de todas as exigncias legais, adentra nas necessidades comuns a qualquer projeto afim ao tema resduos slidos, o que deve incluir o estudo tcnico preliminar (que caracteriza o local a ser aplicado em termos populacionais, topogrficos, edafo-climticos, entre outros), para finalmente apresentar critrios a serem constitudos no anteprojeto do sistema. H que se preocupar com o dimensionamento de frota veicular e seu modo de operao (desde a abrangncia das vias de coleta, passando pelas equipes de trabalho e seus equipamentos mnimos, turnos e perodo de coleta, at a entrega do material em local apropriado). E finalmente, atribuir os itens a serem verificados na constituio de um aterro sanitrio como dispositivo final receptor.

Clique para acessarDestino dos lixos gerados e propenso coleta seletiva em duas comunidades rurais de Concordia-SC

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: O objetivo deste trabalho foi diagnosticar as formas de disposio dos diversos tipos de lixo em propriedades rurais de duas comunidades, bem como, a percepo do pblico alvo quanto a necessidade da coleta seletiva de lixo. Duas comunidades rurais de Concrdia-SC-Brasil, foram utilizadas como locais de prospeco de informaes. Os dados foram gerados a partir da aplicao de um formulrio. Obteve-se um total de 35 formulrios respondidos, sendo 20 respondentes residentes em Barra Bonita e 15 originrios de Linha Ouro. Quanto ao lixo de cozinha, o destino preponderante ainda a utilizao deste como adubo orgnico. Os resultados demostram que dois sistemas de tratamento so utilizados para o lixo de cozinha, as fossas e a compostagem. Comparando-se as duas comunidades, observou-se que a disposio do lixo em sistemas de tratamento s ocorria na comunidade de Barra Bonita, sendo que na comunidade de Linha Ouro predominou a disposio no solo ou como alimento para os animais. No lixo de banheiro predominou a queima deste. Uma disposio mais correta seria em fossas, que ocorreu de forma reduzida nas duas comunidades. Perguntados se realizavam a separao entre lixo orgnico e inorgnico, 88,6% disseram que faziam a separao. A grande maioria tambm respondeu que gostaria que houvesse a coleta seletiva de lixo na comunidade, 71,4%. As informaes obtidas nas duas comunidades diagnosticadas demostram que os maiores problemas com relao ao destino dos lixos esto relacionados aos lixos de banheiro e embalagens de agrotxicos, sendo que os destinos verificados poderiam se constituir em potenciais fontes de poluio e depreciao das condies de sade humana, animal e ambiental.

Clique para acessarDiagnstico do sistema de coleta seletiva implantado no municpio do Rio de Janeiro

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarEcopontos : a anti-cultura do lixo

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarEducao Ambiental e coleta seletiva do lixo

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarELEMENTOS PARA A ORGANIZAO DA COLETA SELETIVA E PROJETO DOS GALPES DE TRIAGEM

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarEstabelescimento de indicadores em programas de coleta seletiva

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A criteriosa avaliao dos fatores envolvidos no planejamento e implantao de Processos de Coleta Seletiva contribui decisivamente para a adoo de diretrizes adequadas, em especial quanto a sua eficincia operacional e efetiva adeso da populao alvo ao programa. A partir da reviso bibliogrfica, verificou-se que estudos sobre o tema realizados no pas tm se concentrado em aspectos operacionais e o aspecto da participao da populao, fundamental para o xito da coleta seletiva, tem sido relegado a segundo plano. Assim, buscou-se estabelecer parmetros de referncia para o planejamento e avaliao de desempenho dos Processos de Coleta Seletiva, gerando diretrizes para subsidiar polticas pblicas para o setor. A metodologia adotada consistiu basicamente aplicao de questionrio a um grupo de profissionais e pesquisadores, envolvidos direta e/ou indiretamente com processos de coleta seletiva, seguido da utilizao de ferramentas da estatstica para validar indicadores de coleta seletiva. Tais indicadores foram posteriormente testados junto aos processos de Coleta Seletiva implantados no municpio de Vitria-ES. Dentre os critrios utilizados para estabelecer os indicadores, tem-se a facilidade entendimento e aplicao prtica para a Coleta Seletiva, visando maior garantia de sua utilizao futura.

Clique para acessarExperincia da implantao de coleta seletiva no municpio de Ilha Solteira-SO

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Relata-se a experincia da implantao da coleta seletiva na cidade de Ilha Solteira, Estado de
So Paulo, com cerca de 22.000 habitantes. A coleta iniciou-se com alguns Postos de Entrega Voluntria
(PEV) instalados em escolas e entidades assistenciais, evoluindo posteriormente para coleta domiciliar
abrangendo toda a cidade, com freqncia semanal. So analisados quantitativamente os resultados
obtidos pelo programa, a partir da srie histrica de quantidades coletadas de material reciclvel

Clique para acessarExperincia da Implantao de Coleta Seletiva no Municpio de Ilha Solteira-SP

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarGesto de programas de coleta seletiva por postos de entrega voluntria no municpio de Vitria

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Ao se planejar a implantao de um Programa de Coleta Seletiva depara-se com a dificuldade de se definir parmetros para dimensionar o sistema de armazenamento, coleta, transporte e beneficiamento de materiais, em especial quanto os aspectos relativos a populao alvo, uma vez que dependem basicamente do seu perfil scioeconmico e cultural, da eficincia da estratgia de marketing adotada para convencimento e motivao das pessoas a participarem, da adequao do projeto realidade do local e tambm da regularidade no funcionamento da logstica implantada para dar suporte ao sistema. A criteriosa avaliao dos fatores envolvidos no planejamento e na implantao de Programas de Coleta Seletiva contribuem decisivamente para que sejam adotadas diretrizes adequadas, em especial quanto aos aspectos que interferem no seu custo de implantao e operao e na efetiva adeso da populao ao programa. A experincia acumulada na implantao da coleta seletiva no municpio de Vitria ES atravs de Postos de Entrega Voluntria - ECOPOSTOS, demonstra que o Estudo Piloto pode ser utilizado como uma poderosa ferramenta para a ampliao e modernizao do servio de coleta seletiva, em especial na etapa do planejamento quanto a definio do modelo do container de materiais reciclveis, a sua localizao, sua capacidade volumtrica, distribuio e modalidade de coleta. Garantindo otimizao de investimentos e custos operacionais reduzidos.

Clique para acessarGESTO DE PROGRAMAS DE COLETA SELETIVA POR POSTOS DE ENTREGA VOLUNTRIA NO MUNICPIO DE VITRIA -ES

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Ao se planejar a implantao de um Programa de Coleta Seletiva depara-se com a dificuldade de se definir parmetros para dimensionar o sistema de armazenamento, coleta, transporte e beneficiamento de materiais, em especial quanto os aspectos relativos a populao alvo, uma vez que dependem basicamente do seu perfil scioeconmico e cultural, da eficincia da estratgia de marketing adotada para convencimento e motivao das pessoas a participarem, da adequao do projeto realidade do local e tambm da regularidade no funcionamento da logstica implantada para dar suporte ao sistema. A criteriosa avaliao dos fatores envolvidos no planejamento e na implantao de Programas de Coleta Seletiva contribuem decisivamente para que sejam adotadas diretrizes adequadas, em especial quanto aos aspectos que interferem no seu custo de implantao e operao e na efetiva adeso da populao ao programa. A experincia acumulada na implantao da coleta seletiva no municpio de Vitria ES atravs de Postos de Entrega Voluntria - ECOPOSTOS, demonstra que o Estudo Piloto pode ser utilizado como uma poderosa ferramenta para a ampliao e modernizao do servio de coleta seletiva, em especial na etapa do planejamento quanto a definio do modelo do container de materiais reciclveis, a sua localizao, sua capacidade volumtrica, distribuio e modalidade de coleta. Garantindo otimizao de investimentos e custos operacionais reduzidos.

Clique para acessarLixo e Coleta Seletiva: Algumas Questes a Serem Lembradas

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Uma das maiores preocupaes da gesto ambiental a disposio do lixo slido produzido cada vez mais em maiores quantidades nas cidades (DIAS, 2008). fato que o desordenamento do descarte desses resduos pode ocasionar problemas de natureza social, econmica e ambiental. Embora esta no seja uma questo unifocal de responsabilidade, um dos principais problemas existentes refere-se inexistncia de uma poltica pblica especfica ao tratamento e destino de resduos slidos, sobretudo no que se refere a viabilizar a integrao da necessidade social com aes capazes de minimizar a produo e os problemas provocados pelo lixo (RODRIGUES; 1998; SCHALCH, V. et al., 2002; SANTOS, 2005; DIAS, 2008). Observa-se que o estudo dos resduos slidos um tema bastante complexo e envolve diversas vertentes de anlise quando se tem uma viso mais global do problema. O objetivo deste ensaio terico discutir a questo do lixo e resduos slidos verificando que aes podem ser realizadas para minimizar seus impactos no meio ambiente. Verificou-se que, em sua grande maioria, os estudos existentes abordam a temtica na perspectiva prtica focando o lixo e os resduos slidos em seus conceitos, caractersticas, bem como procedimentos de gerao, tratamento e destinao final. A grande questo que fica saber como desenvolver aes educativas eficientes capazes de conscientizar e alertar a sociedade sobre a importncia de adotarem prticas ambientalmente corretas no cotidiano.

Clique para acessarMetodologia para mobilizao de pequenas comunidades visando a coleta seletiva de resduos slidos

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarO DESVIO DA COLETA SELETIVA NAS LIXEIRAS TRANSPARENTES

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: No ato de dispor o resduo na lixeira deve-se ter a conscincia de optar pela sustentabilidade e de exercer o papel para que seja mnima a quantidade de rejeito e mximo o ndice de recuperao, viabilizando assim a reciclagem. A lixeira da coleta seletiva onde pode ser dar o passo inicial para uma soluo sustentvel para os resduos slidos. O objetivo desse estudo foi avaliar o efeito de lixeiras transparentes na reduo do desvio na coleta seletiva em relao s lixeiras opacas, visando promover a segregao correta dos resduos no momento do descarte. O local do experimento foi a cantina da engenharia no Centro Tecnolgico IV da Universidade Federal do Esprito Santo (UFES) campus de Goiabeiras. Foi implantada uma coleta seletiva para papis, plsticos e outros, sendo utilizadas lixeiras opacas e transparentes para verificar se havia diferena de comportamento do gerador quando do acondicionamento, medida atravs quantidade colocada na lixeira errada, ou desvios, nos dois tipos de lixeiras. Do estudo conclui-se que as lixeiras opacas e transparentes apresentaram desvios mdios estatisticamente diferentes, onde, as lixeiras transparentes tiveram desvio mdio significativamente menor.

Clique para acessarO papel scio-ambiental da coleta seletiva no municpio do Natal/RN-Brasil

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A coleta seletiva se iniciou em Natal em 1992, poca das primeiras experincias acontecidas no Pas. Naquele momento o material reciclvel era trocado por vale alimentao. A segunda experincia aconteceu de 1993 a 1996, com a distribuio dos PEVs Postos de Entrega Voluntria, coleta seletiva porta a porta aos moldes do que ocorria em Porto Alegre/RS e ainda a experincia Papel Vale Transporte em parceria com a iniciativa privada. A terceira experincia aconteceu a partir de maro de 2002 com a nova distribuio de PEVs Postos de Entrega Voluntria em 20 pontos da cidade e a sua continuao em 2003 com os PIC Programa Interno de Coleta Seletiva, envolvendo grandes geradores: hotis, condomnios, empresas publicas e privadas. A quarta e mais bem sucedida experincia aconteceu a partir de dezembro de 2003, com a modalidade porta a porta, realizada pelos antigos catadores do lixo da Cidade, uma vez que o mesmo foi desativado por ocasio da inaugurao do aterro sanitrio metropolitano. Nesse novo cenrio, os catadores do antigo lixo necessitavam de um apoio para o seu sustento, pois os mesmos passariam a no dispor de uma fonte de renda. A partir da, a Prefeitura Municipal do Natal reforou o trabalho de insero social dos catadores com o Programa de Coleta Seletiva da Cidade do Natal, iniciado em 1999 com a Usina de Triagem. Vale destacar que foram cadastrados pela URBANA cerca de 500 catadores que retiravam seu sustento a partir do antigo lixo, sem as mnimas condies para a realizao daquele trabalho, disputando espao com animais como porcos e urubus, alm de estarem submetidos a um ambiente insalubre. O Programa de Coleta Seletiva da Cidade do Natal foi concebido para dar um trabalho digno aos catadores, transformando-os de pessoas a margem da sociedade em atores participantes do desenvolvimento sustentvel atravs de uma ao voltada a preservao ambiental.

Clique para acessarPesquisa Ciclosoft 2012

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Desde 1994 o Cempre rene informaes sobre os programas de coleta seletiva desenvolvidos por prefeituras, apresentando dados sobre composio do lixo, custos de operao, participao de cooperativas de catadores e parcela de populao atendida. A Pesquisa Ciclosoft tem abrangncia geogrfica em escala nacional, e possui periodicidade bianual de coleta de dados. A metodologia da pesquisa consiste no levantamento de dados atravs do envio de questionrio s Prefeituras e visitas tcnicas. O objetivo no comparar, mas demonstrar quais municpios contam com programas estruturados de coleta seletiva. Este o Ciclosoft, uma pesquisa atualizada da coleta seletiva em cidades brasileiras, indispensvel para o desenvolvimento do setor de reciclagem no pas.

Clique para acessarPlanejamento de roteiros de coleta seletiva

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho apresenta a metodologia empregada no Planejamento de Coleta Seletiva nos LEVs - Locais de Entrega Voluntria, implantados pela SLU na cidade de Belo Horizonte. A primeira etapa constitui na determinao dos seguintes parmetros de planejamento a partir de pesquisas in loco: tempo de coleta, tempo de descarga, deslocamento, velocidade de coleta, tempo total, volume do LEVs, ndice de aproveitamento, volume coletado, peso especfico, massa, volume total, volume total coletado, capacidade do caminho, jornada de trabalho e freqncia da coleta. A partir desses parmetros foram dimensionados o nmero de caminhes necessrios e definidos os roteiros, que foram implantados em 16/12/96 e posteriormente alterados em 26/05/97 aps novo levantamento in loco e implantao de novos LEVs objetivando a otimizao dos roteiros j existentes e a ampliao do nmero de LEVs instalados na cidade.

Clique para acessarPlanejamento de roteiros de coleta seletiva

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho apresenta a metodologia empregada no Planejamento de Coleta Seletiva nos LEVs - Locais de Entrega Voluntria, implantados pela SLU na cidade de Belo Horizonte. A primeira etapa constitui na determinao dos seguintes parmetros de planejamento a partir de pesquisas in loco: tempo de coleta, tempo de descarga, deslocamento, velocidade de coleta, tempo total, volume do LEVs, ndice de aproveitamento, volume coletado, peso especfico, massa, volume total, volume total coletado, capacidade do caminho, jornada de trabalho e freqncia da coleta. A partir desses parmetros foram dimensionados o nmero de caminhes necessrios e definidos os roteiros, que foram implantados em 16/12/96 e posteriormente alterados em 26/05/97 aps novo levantamento in loco e implantao de novos LEVs objetivando a otimizao dos roteiros j existentes e a ampliao do nmero de LEVs instalados na cidade.

Clique para acessarPrograma de coleta seletiva em grandes instituies de ensino: os resduos slidos analisados e valorizados sob a tica da gesto ambiental

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarPROPOSTA ALTERNATIVA PARA A COLETA SELETIVA DE RESDUOS SLIDOS URBANOS NA CIDADE DE CAMPO GRANDE/MS, VALORIZANDO A PARTICIPAO DOS CATADORES.

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarReciclagem de plsticos de resduos domsticos: problemas e solues

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Este trabalho tem como objetivo analisar as principais dificuldades envolvidas na coleta seletiva e reciclagem de plsticos provenientes de resduos slidos domsticos e propor formas de enfrentamento da questo. Para tal, busca reunir informaes sobre o estado-da-arte da reciclagem de plsticos de resduos slidos domsticos como parte do sistema de gerenciamento de resduos no Brasil e no Exterior. A anlise das questes feita em quatro dimenses: meio ambiente, tecnologia, economia e institucional, concentrando-se nos aspectos organizacionais da coleta seletiva, nas relaes entre os atores e instituies envolvidos e assim destacando os aspectos que podem contribuir positiva ou negativamente para a reciclagem deste material e conseqente reduo do espao ocupado nos aterros sanitrios. Os dados foram coletados atravs de pesquisa bibliogrfica e de uma srie de entrevistas realizadas com atores sociais envolvidos nesta atividade. Conclui apresentando sugestes de aes necessrias em termos de Poltica de Resduos Slidos, principalmente no tocante a cobrana dos servios e incentivo reduo da gerao na fonte e suas relaes com as polticas fiscal e econmica. Apresenta tambm sugestes sobre a organizao de servios de coleta seletiva. Aponta a necessidade de aes para capacitao industrial para processamento do material e para a oportunidade de gerao de empregos relacionada atividade de preparao do material para fuso. Prope temas para pesquisas futuras que podem complementar e tornar mais objetivos os dados quantitativos, econmicos e tecnolgicos a respeito da questo

Clique para acessarReciclando pela vida: implantao da coleta seletiva em um rgo da administrao publica

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: A implementao de programas de coleta seletiva fundamental para reduzir a quantidade de lixo disposto, minimizando os impactos que os resduos slidos provocam no meio ambiente e na sade dos cidados. Alm disso, a coleta seletiva permite o reaproveitamento e a reciclagem de materiais, promovendo a gerao de renda com incluso social. Dentro desse contexto, a Casa Civil, encontra-se inserida nessa responsabilidade scioambiental. Assim foi proposto um programa de coleta seletiva: Reciclando pela Vida, que servir de modelo de poltica pblica, no somente pela implantao e sensibilizao dos funcionrios, mas tambm pela parceria com a Cooperativa de Catadores Autnomos de resduos de Aracaju (CARE). Com a implantao do projeto, ser possvel a execuo dos 3 Rs (reduo, reaproveitamento e reciclagem), entre os funcionrios, visto que tambm ser estimulado internamente na instituio o reaproveitamento de materiais, como papel, para confeco de blocos e rascunhos, sendo este o resduo presente em maior porcentagem no lixo gerado. Materiais como plstico, vidro, metais e o papel no reaproveitvel, sero destinados cooperativa (CARE) para serem reciclados. Nesse sentido o projeto Reciclando pela Vida estimula a gerao de renda e a incluso social de catadores que, por causa da dificuldade em se obter material reciclvel suficiente para o preenchimento das vagas existentes na CARE, ainda no se tornaram cooperados. Alm disso, ser possvel a reduo do volume de rejeitos a serem recolhidos pela prefeitura, e a mudana de hbitos por parte dos funcionrios, com posterior reflexo nos seus mbitos sociais paralelos. A Educao Ambiental surge ento como ferramenta indispensvel na sensibilizao dos servidores para a importncia scio-ambiental do projeto e a participao dos mesmos como protagonistas do processo.

Clique para acessarSepare o lixo que no lixo

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva

Clique para acessarUm olhar geogrfico sobre a questo dos materiais reciclveis em Porto Alegre: sistemas de fluxos e a (in)formalidade, da coleta comercializao

Idioma: Portugus
Assunto: Coleta Seletiva
Resumo: Esta pesquisa trata da coleta e comercializao de materiais reciclveis, valiosos componentes dos resduos slidos urbanos, na cidade de Porto Alegre. O foco est voltado para a indissociabilidade das relaes entre os principais agentes envolvidos nesta questo: os catadores, organizados ou no em associaes, que colaboram com o retorno dos materiais ao processo produtivo; a indstria, encarregada do beneficiamento e reindustrializao dos materiais; os intermedirios, elo de ligao na reciclagem dos materiais e explorao do trabalho nas relaes entre os catadores e a indstria; e o poder pblico, responsvel pela regulao e pela normatizao dessas relaes. O olhar geogrfico utilizado tem o seu ponto de vista localizado na base da questo, o que prope uma percepo maior dos problemas enfrentados pelos catadores. Como referncia terica e metodolgica, foram utilizados os estudos de Milton Santos sobre os sistemas de fluxos da economia urbana e as formas de representao grfica utilizando modelos explicativos.