Textos e Trabalhos Ténicos

  • Patrocinado por:

  • Busca

    Palavra Chave:









Encontrado(s) 8 Trabalho(s) Técnico(s) no assunto EMBALAGENS

Clique para acessarA ATITUDE DO CONSUMIDOR EM RELAO S CARACTERSTICAS ECOLGICAS DAS EMBALAGENS

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: O Brasil se destaca na produo de embalagens assim como no descarte. De acordo com o Ministrio do Meio Ambiente (2009), 25 mil toneladas de embalagens vo parar, todos os dias, nos depsitos de lixo. Este fato tornou-se questo de reflexo por parte da sociedade. Compreender a atitude dos consumidores em relao s caractersticas ecolgicas das embalagens torna-se importante diante deste fenmeno. O objetivo deste estudo foi descrever os componentes da atitude do consumidor: crenas ou cognio, afetividade e conao. A pesquisa caracteriza-se quanto aos objetivos como exploratria e descritiva, quanto aos procedimentos tcnicos como bibliogrfica e de campo, e quanto forma de abordar o problema como quantitativa. A amostra foi composta de 325 pessoas, de ambos os sexos e de diversos bairros da cidade de Fortaleza. Os resultados demonstram que no nvel cognitivo, os respondentes conhecem pouco os smbolos de rotulagem ambiental e, embora, em termos afetivos, lhes atribuam muita importncia e avaliem de forma positiva aes relacionadas aos uso/compra das embalagens que apresentam caractersticas ecolgicas, no nvel comportamental pouca a influncia dos smbolos e dessas caractersticas nas suas decises de compra. Ressalte-se que a avaliao positiva que os consumidores tm das atitudes relativas compra/ao uso de embalagens que apresentam caractersticas ecolgicas e aos smbolos de rotulagem pode servir como indicador para as empresas investirem em produtos ecolgicos e adotarem prticas de gesto ambiental no longo prazo.

Clique para acessarA ATITUDE DO CONSUMIDOR EM RELAO S CARACTERSTICAS ECOLGICAS DAS EMBALAGENS

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: O Brasil se destaca na produo de embalagens assim como no descarte. De acordo com o Ministrio do Meio Ambiente (2009), 25 mil toneladas de embalagens vo parar, todos os dias, nos depsitos de lixo. Este fato tornou-se questo de reflexo por parte da sociedade. Compreender a atitude dos consumidores em relao s caractersticas ecolgicas das embalagens torna-se importante diante deste fenmeno. O objetivo deste estudo foi descrever os componentes da atitude do consumidor: crenas ou cognio, afetividade e conao. A pesquisa caracteriza-se quanto aos objetivos como exploratria e descritiva, quanto aos procedimentos tcnicos como bibliogrfica e de campo, e quanto forma de abordar o problema como quantitativa. A amostra foi composta de 325 pessoas, de ambos os sexos e de diversos bairros da cidade de Fortaleza. Os resultados demonstram que no nvel cognitivo, os respondentes conhecem pouco os smbolos de rotulagem ambiental e, embora, em termos afetivos, lhes atribuam muita importncia e avaliem de forma positiva aes relacionadas aos uso/compra das embalagens que apresentam caractersticas ecolgicas, no nvel comportamental pouca a influncia dos smbolos e dessas caractersticas nas suas decises de compra. Ressalte-se que a avaliao positiva que os consumidores tm das atitudes relativas compra/ao uso de embalagens que apresentam caractersticas ecolgicas e aos smbolos de rotulagem pode servir como indicador para as empresas investirem em produtos ecolgicos e adotarem prticas de gesto ambiental no longo prazo.

Clique para acessarA reciclagem das embalagens plsticas de leo lubrificante e a gesto ambiental: um modelo a ser construdo.

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: A destinao final, ps-consumo, das embalagens plsticas de leo lubrificante um problema ambiental grave, devido s caractersticas de resistncia degradao e ao potencial de contaminao do leo residual. A destinao final das embalagens plsticas ambientalmente adequadas uma demanda tica e legal para as organizaes. Este trabalho avalia criticamente a situao atual do programa de coleta de embalagens plsticas implantado no Estado do Rio de Janeiro, apresenta as melhores prticas em organizaes que lidam com a reciclagem de embalagens plsticas, discute o uso da gesto ambiental como base para integrar os vrios participantes da cadeia de produo e comercializao e prope um modelo que possibilitar a destinao ambientalmente correta das embalagens plsticas ps-uso via reciclagem e reuso. A metodologia utilizada constou de pesquisa descritiva de carter quantitativo e qualitativo para consolidao dos dados. As entrevistas realizadas mostraram que 8,2 % das embalagens plsticas ps-uso tem destino ambientalmente adequado no Estado do Rio de Janeiro. A abordagem prtica com apresentao do problema atual e a proposta do modelo so as principais contribuies que esse estudo agrega rea de conhecimento e pesquisa de reciclagem e reuso de embalagens plsticas ps-uso de leos lubrificantes

Clique para acessarCanais de logstica reversa na cadeia de leo lubrificante no Estado de So Paulo: o caso das embalagens plsticas

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens

Clique para acessarGerenciamento Ambiental dos Frascos de leo Lubrificante Automotivo

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: A destinao final, ps-consumo, das embalagens plsticas com resduo oleoso se configura como um dos principais problemas ambientais mundiais na rea de resduos slidos. Este artigo apresenta o diagnstico da situao brasileira no que se refere s sistemticas de disposio dos frascos de leo lubrificante automotivo, discute alternativas e prope a elaborao de plano nacional para gerenciamento desse tipo de resduo. O estudo baseou-se em levantamentos de campo, complementados pela reviso da literatura produzida sobre o tema, e incluiu a anlise crtica de um programa de reciclagem existente no estado do Rio de Janeiro. Ao final, com foco na maximizao da reutilizao e na reduo do volume a ser disposto, sugere o aprimoramento do processo de reciclagem, com coleta na fonte geradora, e o investimento em pesquisa aprofundada acerca do mais adequado mtodo de tratamento dos rejeitos no mais suscetveis ao reprocessamento.

Clique para acessarOs consumidores valorizam a coleta de embalagens reciclveis? Um estudo de caso da logstica reversa em uma rede de hipermercados

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: Este artigo estuda o papel e a relevncia dos Centros de Coleta de embalagens reciclveis como fator de atrao de clientes aos supermercados. O referencial terico que fundamenta as anlises tem como conceito central a logs- tica reversa. A literatura estudada afirma que a implantao de mecanismos de logstica reversa pelas empresas , em grande parte, resultado da preocupao crescente dos consumidores com o meio-ambiente, os quais, portanto, tenderiam a valorizar organizaes que estivessem envolvidas com a reciclagem de embalagens. Para avaliar estas questes, foi realizada uma pesquisa com 105 clientes de trs lojas de uma rede supermercadista em trs capitais (Rio de Janeiro, So Paulo e Belo Horizonte). Esta rede varejista estabeleceu uma aliana estratgica com uma re- cicladora de alumnio para o recolhimento de embalagens descartadas por meio da criao de Centros de Coleta em suas dependncias. Os resultados da pesquisa apontam que a maioria dos clientes da rede de hipermercados em Belo Horizonte e So Paulo desconhecem a existncia dos Centros de Coleta, diferentemente dos clientes da loja no Rio de Janeiro. No entanto, em todas as cidades, constatou-se que a existncia de Centros de Coleta no um fator de influncia na escolha do local de compra pelos consumidores. Conclui-se que, para a campanha de incentivo reciclagem de embalagens ser mais eficiente e abrangente, necessrio que a rede de hipermercados e a empresa recicladora despendam um maior esforo na divulgao dos Centros de Coleta e na motivao dos seus clientes para participarem desta iniciativa. Estas providncias permitiriam que as empresas alcanassem uma imagem diferenciada junto aos consumidores.

Clique para acessarPotencialidade e aplicao da preveno de resduos de embalagens: abordagem sobre o projeto do produto e o consumo

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: A preveno de resduos, enquanto estratgia ambiental, tem sido aplicada com sucesso em vrias indstrias. Porm, sua aplicao durante a fase de desenvolvimento dos produtos ainda pouco explorada. A preveno de resduos mais efetiva quando incorporada ao projeto do produto, pois possibilita uma anlise dos impactos durante todo o seu ciclo de vida. Os resduos de embalagens so particularmente preocupantes, pelos materiais utilizados e pelo volume que ocupam nos aterros sanitrios. A anlise das potencialidades da preveno de resduos de embalagens justifica-se pelas caractersticas destes resduos quanto a degradabilidade e volume, e tambm pela vida reduzida associada s embalagens. O objetivo desta pesquisa foi realizar uma anlise das potencialidade da preveno de resduos de embalagens com abordagem sobre o seu consumo e seu projeto, atravs da introduo de consideraes ambientais no desenvolvimento de embalagens. Para isso, buscou-se um referencial que permitisse entender os mecanismos do modelo de produo e consumo, as tendncias de consumo, o comportamento dos consumidores e sua importncia na modificao dos projetos de embalagens. No desenvolvimento de embalagens foram identificadas as alternativas quanto s consideraes ambientais durante a fase de projeto. Finalmente, realizou-se uma confrontao entre as possibilidades identificadas e a atual aplicao no mercado nacional e um apontamento das oportunidades no exploradas. Com isso, buscou-se no somente apresentar um panorama sobre a situao brasileira quanto ao desenvolvimento de embalagens com vistas a preveno de resduos, como tambm contribuir para que esta seja realmente implementada. Explorou-se tambm as caractersticas e tendncias da legislao ambiental referentes aos resduos slidos, tendo em vista ter a legislao papel fundamental na preveno de resduos. Vrias alternativas de estratgias de projeto de embalagens com consideraes ambientais foram identificadas: reduo da quantidade de material por embalagem ou nmero de embalagens, projetar a forma da embalagem visando a facilitar seu transporte, projetar produtos de uso coletivo e compartilhado, produtos concentrados ou desidratados, reduo das dimenses fsicas dos produtos, projetar produtos mais durveis e reutilizveis [reduo do uso de recursos - materiais e energia]; priorizar recursos vindos de fontes renovveis, usar materiais biodegradveis, eliminar o uso de constituintes txicos, como metais pesados dos corantes, usar material reciclado [escolha de recursos de baixo impacto ambiental]; projetar para reuso [extenso da vida do produto]; projetar para reciclagem [extenso da vida do material]. Estas alternativas ainda so pouco utilizadas no desenvolvimento de embalagens nacionais. Quanto aos consumidores brasileiros, estes demonstram um baixo nvel de priorizao e informao quanto s questes ambientais, o que compromete a motivao para o consumo mais consciente. Com relao legislao brasileira, inexiste uma lei que oriente, em nvel nacional, quanto gesto de resduos slidos, uma poltica nacional de resduos slidos, o que compromete a gesto dos resduos com enfoque na preveno, embora a tendncia dos projetos analisados, com vista instituio de poltica de resduos, sobre a preveno de resduos e a co-responsabilizao do setor produtivo pelos resduos ps-consumo

Clique para acessarRECICLAGEM DE EMBALAGENS PLSTICAS USADAS CONTENDO LEO LUBRIFICANTE

Idioma: Portugus
Assunto: Embalagens
Resumo: A Cmara Ambiental da Indstria Paulista (Caip) um centro de debate e de deciso sobre temas ambientais afetos ao setor produtivo. Seu objetivo principal captar as demandas e preocupaes dos sindicatos e associaes da indstria, agrupados em setores industriais, e dos comits de cadeia produtiva da Federao das Indstrias do Estado de So Paulo (Fiesp) sobre temas ambientais primordiais. Os debates tcnicos, polticos e institucionais, so realizados por meio do desenvolvimento dos temas em grupos de trabalho, que podem ser de temas horizontais, ou seja, aqueles que afetam a todo setor produtivo ou temas verticais, pertinentes a um determinado setor ou cadeia produtiva especfico. Essa publicao resultado do trabalho desenvolvido pelo Grupo Setorial (GS) n 6, que composto por 19 Sindicatos ligado a cadeia produtiva das Indstrias Metalrgicas, Mecnicas e de Material Eltrico e de Joalheria e Lapidao de Pedras Preciosas.